Increva-se para receber conteúdo novo por email

Pílulas anticoncepcionais: Tomar ou não?

An open pack of birthcontrol pills on a white background with shallow depth of field

Tomar ou não tomar pílulas anticoncepcionais? Estou ciente de sua conveniência e das consequências sociais de tal prática, também estou ciente da sua eficiência em impedir a gravidez em tempos indesejados, ou com a pessoa errada, entretanto, há diversas razões para não optar pelo seu uso prolongado, uma vez que oferece diversos riscos para a saúde da mulher.

pill_2737926b

Esta trata-se de uma opinião muito pessoal e não estou aqui para tomar uma decisão por ninguém, no entanto, meu papel é demonstrar à vocês o potencial risco de seu uso prolongado de um ponto de vista científico, e por outro lado, com uma visão jornalística, como este risco tem sido subjugado pela sociedade como um todo, nos últimos anos, e por muitos profissionais de saúde de maneira pouco transparente com a população, com os pacientes ou consigo mesmos.

A proteína chamada de Globulina Ligadora de Hormônio Sexual (SHBG) é estimulada pelo uso de pílulas anticoncepcionais no fígado das mulheres, fazendo com que os níveis de testosterona e testosterona livres sejam reduzidos.

O SHBG é uma glicoproteína produzida pelo fígado, composta por 373 aminoácidos que influencia diretamente os níveis de testosterona, DHT (metabólito biologicamente ativo da testosterona) e estradiol. O DHT é transportado pela circulação anexados ao SHBG que, por sua vez, inibe a função deles hormônios, diminuindo a biodisponibilidade deles para as células do corpo.

Quando induzimos artificialmente uma mudança no perfil de um hormônio no corpo por agentes externos, como pílulas contraceptivas, esta alteração terá um efeito correspondente sobre outros hormônios, que por consequência causam toda uma cascata de reações fisiológicas e bioquímicas.

Níveis altos de estrogênio induzidos pelo uso de pílulas anticoncepcionais aumentam os níveis de SHBG. A literatura científica demonstra que os níveis de SHBG podem ter uma enorme influência sobre os níveis de testosterona livre

Em mulheres que usam anticoncepcionais, pode haver uma redução drástica ou significativa deste hormônio, o que pode acarretar em diminuição importante da libido e o aumento do risco da contração de diversas patologias crônicas.

Testosterona:

print testosterona

O volume de evidências que temos atualmente sobre os efeitos protetores da terapia de testosterona exógena no câncer de mama vem de estudos com primatas. Os resultados obtidos através de estudos feitos com macacos da espécie rhesus indicam que a testosterona pode servir como um protetor endógeno natural do peito da mulher, e portanto, mitiga os efeitos de promoção do câncer de mama estimulado pelo excesso de estrogênio no epitélio mamário. 

  • A testosterona nas mulheres antes da menopausa é produzida a partir da androstenediona e do DHEA pelas adrenais e pelos ovários são estimulados pelo hormônio da hipófise/glândula pituitária.

diagrama hormônios andrógenos

Diagrama:  As adrenais podruzem todos andrógenos, enquanto o ovário produz apenas DHEA e testosterona.  Testosterona, estradiol e DHT são subprodutos do DHEA e a androstenediona. A maior parte do DHT circulante está ligada ao SHBG (esta última não mostra no diagrama)

Novamente, a globulina Ligadora de Hormônio Sexual (SHBG) é uma glicoproteína que se liga aos hormônios sexuais androgênio e estrogênio.  O uso de pílulas anticoncepcionais tende a fazer com que o corpo aumente a produção de estrogênio e como consequência aumente significantemente a produção de estrogênio pelo ovário, de acordo com estudos.

Os níveis de SHBG em mulheres que tomam pílula frequentemente estão muito altos, comumente 3 vezes ou mais acima do valor de referência. Os anticoncepcionais orais tendem a ser mais agressivos neste sentido, mas outras formas de anticoncepcionais também podem reduzir a produção da testosterona e estradiol, podendo ocorrer os efeitos colaterais de disfunção sexual, ganho de gordura e pior composição corporal (se risco câncer de mama não é um estímulo suficiente, talvez a piora da composição corporal seja!).

Apesar de poder haver variações, estudos em vitro e em vivo indicam que tanto a testosterona quanto a DHT (metabólito biologicamente ativo da testosterona) tem uma influência predominantemente inibitória sobre os efeitos de promoção de câncer de estrogênio e divisão celular em células de mama e promovem a apoptose (morte celular programada das células tumorais) através de receptores de androgênio.

Estrogênio em excesso é um grande fator de risco para o câncer de mama e não apenas pílulas anticoncepcionais promovem sua produção excessiva, como dietas ricas em carboidratos, açúcar, soja e seus derivados.

Atrofia do ovário:

Na atrofia do ovário ocorre a diminuição do tamanho do ovário ou seu enfraquecimento, o que pode ter um impacto significativo sobre a saúde reprodutiva e diversos efeitos colaterais relacionados a disfunções hormonais do ovário.

Câncer de mama:

Dezenas de estudos sobre o tema indicam um aumento de risco de 10 a 30% para câncer de mama. Um risco substancial que não deve ser subestimado

Coágulos de sangue:

Um estudo mostrou que as mulheres que tomam a pílula anticoncepcional mais recentes tiverem seis vezes o risco de coágulos no sangue com relação as mulheres que não tomaram.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22027398

Altos níveis de inflamação:

Níveis mais altos de proteína C reativa

Risco cardiovascular

A pílula tradicional com combinação de estrogênio – progestina pode aumentar a pressão sanguínea em algumas mulheres.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22129517

Alteração no ciclo menstrual pós retirada da pílula:

Uma parcela grande de mulheres que tomam anticoncepcionais por vários anos não retomam um ciclo menstrual normal. Esta síndrome está mais presente em mulheres que fizeram este tipo de controle de natalidade por diversos anos seguidos. É diretamente relacionado ao período em que a mulher tomou a pílula. De acordo com a experiência clínica de alguns médicos nos EUA, após seu uso prolongado, o retorno sadio do ciclo menstrual não acontece na maioria dos casos.

Deficiências nutricionais:

 

Deficiência de vitamina B2, B6, B12, folato, zinco, magnésio, selênio e vitamina C. Todos estes nutrientes são extremamente essenciais para um processo de metilação do DNA para adequada expressão genética. Eles são muito importantes. Todos estes nutrientes desempenham um papel importante no ciclo menstrual e podem ser reduzidos substancialmente pelo uso de contraceptivos orais. 

Para finalizar, gostaria de reiterar novamente que qualquer decisão é uma opinião muito pessoal e não estou aqui para tomar uma decisão por ninguém, mas sim alertá-los sobre os principais efeitos colaterais de seu uso. Um exame completo medindo estradiol e estrogênio, testosterona, SHBG e hormônios da tireode irão te dar um bom panorama junto com seu médico sobre o quanto e quão agressivamente a pílula está possivelmente afetando o status deles e sua saúde.

Banner1

 

E para finalizar, uma ótima notícia… Eu vou te dar de presente meu novo ebook sobre dieta low-carb e cetogênica, aproveite para baixar GRÁTIS agora —>>> clique AQUI

Quer também ficar por dentro de tudo que está acontecendo de melhor no mundo da nutrição? Aproveite AGORA para seguir meu canal do youtube —–>>> Clique AQUI para seguir meu canal do youtube.

Outra notícia boa… Você está querendo emagrecer, mas está tendo dificuldades?? Então faça o coaching de emagrecimento para perder peso com tranquilidade de um jeito que você nunca tentou antes.

Me mande uma mensagem e agende uma consulta o quanto antes 😉

                          (11) 97533-8525                               

     Atendimento personalizado – Até 10x no cartão

Inscreva-se para receber artigos como este por e-mail!

9 Comentários

  1. ezequiel disse:

    Que tipo de substância tem nos anticoncepcionais? sabe-se que estimula um aumento a SHBG, mas é a própria ou outro tipo de substância e/ou hormônio que encontramos lá?

  2. Melissa disse:

    Qual tipo de anticoncepcional é menos agressivo?

    • Bruna e Caio disse:

      Diu de cobre e preservativo são opções. Existem aparelhos (ex: LadyComp) que medem quando você está ovulando ou não. Só vendem nos EUA por 500 dolares, mas duram muito tempo. Obrigado

  3. Aline Bitencourt disse:

    Excelente matéria! Um dos benefícios de aderir a esta proposta de vida (primal, paleo, LCHF) é que passamos a nos preocupar com outras coisas que também afetam nossa qualidade de vida, além da alimentação. Você sabe se anticoncepcionais sem estrogênio são prejudiciais da mesma forma? Uso o cerazete (desogestrel), recomendado para impedir o aumento de mioma no útero.

    • Bruna e Caio disse:

      Sim, todos são potencialmente prejudiciais. Possuem, drospírenona, etínilestradiol, estradiol, progesterona, etc. Todos afetam a produção hormonal do corpo.

  4. Ticiana disse:

    Providencial artigo!!! Estou passando por esta situação, usei por anos a pílula, e agora tenho um déficit de testosterona, comecei a poucos dias, com orientação médica, a reposição com hormônio bioidêntico e espero ter bons resultados.
    Mas, gostaria de agradecê-los, pois eu não conhecia o LadyComp e foi através do seu comentário que um mundo se abriu para mim…
    Uso o DIU de cobre, mas quero retirar, afinal é um corpo estranho, enfim…
    Muito, muito obrigada!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Oi, eu sou o Caio Fleury, autor do blogSolicite atendimento personalizado em até 10x no cartão pelo meu Whatsapp ou cadastre seu email grátis, para ganhar meu novo e-book.

Junte-se a milhares de pessoas, ganhe motivação, exclusividade e controle da sua vida

Você está com dificuldades para perder peso?
Faça um atendimento personalizado em até 10x no cartão!

Converse comigo pelo Whatsapp: (11) 97533-8525

Atenção: Para receber o meu e-book GRATUITO sobre dieta low carb e Cetogênica, cadastre seu email abaixo!

×