Increva-se para receber conteúdo novo por email

Colesterol alto: um problema?

Escrito por Dr. Malcolm Kendrick 

Tirando o chapéu para os japoneses

Por muitos anos, eu disse para qualquer um que queira escutar que se você tiver um nível do colesterol alto, você viverá mais. Igualmente, se você tiver um nível baixo do colesterol, você morrerá mais novo estatisticamente falando. Este, senhoras e senhores, é um fato estatístico. Quando mais velho você se torna, mais benéfico se torna ter um nível do colesterol mais alto.

Este fato tornou-se mais difícil de demonstrar recentemente, enquanto muitas pessoas foram colocadas sob estatinas, alterando a associação entre níveis de colesterol e mortalidade, sendo esta associação dobrada e violentada nas formas mais estranhas imagináveis. Entretanto, o Japão fornece alguns dados muito interessantes. O Japão sempre teve uma taxa muito baixa de doenças do coração, uma expectativa de vida invejável, e… níveis geralmente baixos do colesterol. Aha!, certamente isto significa que os níveis baixos do colesterol são bons para você? Bem….

Bem, aqui a introdução à uma revisão de 116 páginas da hipótese do colesterol, publicada no jornal “Annals of Nutrition and Metabolism”. Foi publicado em 30 de abril de 2015. Eu apenas terminei de lê-lo pela primeira vez. Eu pensei em compartilhar a introdução, completa:

Os níveis elevados do colesterol são reconhecidos como uma causa principal da aterosclerose. Entretanto, por mais da metade do século alguns desafiaram esta noção. Mas que lado está correto, e por que não podemos chegar a uma conclusão definitiva após todo este tempo e com mais dados científicos disponíveis? Nós acreditamos que a resposta é muito simples: para o lado que defende esta assim chamada teoria do colesterol (teoria lídica), a quantidade de dinheiro em jogo é demasiada para se darem ao luxo de perderem a luta.

A questão do colesterol é um dos maiores problemas na medicina, onde a lei da economia governa. Além disso, os defensores da teoria tem a noção de ser um simples, irrefutável “fato” e autoexplicativo. Eles podem muito bem pensar que aqueles que argumentam contra a teoria do colesterol – na verdade, a ‘hipótese’ do colesterol – são meros excêntricos.

Nós, como aqueles no lado que opõe a hipótese, compreendemos seus argumentos muito bem. Na verdade, o primeiro autor desta edição suplementar (TH) havia sido um crente muito forte e defensor da hipótese do colesterol até alguns anos após o estudo escandinavo “Scandinavian Simvastatin Survival Study (4S)” que relatou os benefícios da terapia com estatinas no jornal Britânico “The Lancet”, em 1994. Para ser honesto com os leitores, ele persuadia as pessoas com níveis elevados de colesterol altos a tomar estatinas. Ele até deu uma palestra ou duas para clínicos gerais que promoveu os benefícios das estatinas. Terríveis erros imperdoáveis dado o que conhecemos e claramente sabemos agora.

atherosclerosis

Aterosclerose formada através da inflamação causada pela oxidação de lipoproteínas LDL (colesterol LDL) padrão B (Apo B) , não devido ao colesterol total elevado com a noção antiga.

Nesta edição suplementar, vamos explorar a base da hipótese do colesterol, utilizando dados obtidos principalmente do Japão, o país onde as campanhas da teoria anticolesterol podem ser conduzidas mais facilmente do que em quaisquer outros países. Mas por que isso? Será que é porque os pesquisadores japoneses que defendem a hipótese recebem menos apoio das empresas farmacêuticas que os pesquisadores no exterior? De modo nenhum. Por que os pesquisadores japoneses são indolentes e fracos? Não, claro que não. Por que o público japonês é cético sobre os benefícios da terapia médica? Não, eles geralmente aceitam tudo o que os médicos dizem. Infelizmente, isso também é complicado pelo fato de que os médicos não têm tempo suficiente para estudar a questão do colesterol por si mesmos, deixando-os simplesmente a aceitar as informações fornecidas pela indústria farmacêutica.

Lendo através desta edição suplementar, ficará claro por que o Japão pode ser o ponto de partida para a campanha da teoria anticolesterol. A relação entre a mortalidade por todas as causas e os níveis de colesterol no Japão é muito interessante: a mortalidade, na verdade, vai para baixo com os níveis mais elevados de colesterol, das lipoproteínas totais ou de baixa densidade (LDL), como relatado pela maioria dos estudos epidemiológicos japoneses da população em geral. Esta relação não pode ser observada com a mesma facilidade em outros países, exceto em populações idosas onde existe a mesma relação em todo o mundo.

A mortalidade por doença coronária no Japão foi responsável por cerca de apenas 7% da mortalidade por qualquer causa durante décadas; uma taxa muito mais baixa do que a observada nos países ocidentais. A teoria de que quanto menores os níveis de colesterol são, melhor, é completamente errada no caso do Japão, de fato, o oposto é verdadeiro. Porque o Japão é único em termos de fenomenos relacionados com o colesterol, é fácil de encontrar falhas na hipótese do colesterol.

Com base em dados provenientes do Japão, propomos uma nova direção no uso de medicamentos de colesterol para promoção da saúde mundial; ou seja, reconhecer que o colesterol é um fator de risco negativo para a mortalidade e reexaminar o uso de medicamentos de colesterol, de acordo por todas as causas. Isso, acreditamos, marca o ponto para uma mudança de paradigma, não só na forma como entendemos o papel do colesterol na saúde, mas também como nós fornecemos o tratamento do colesterol.

As diretrizes para o colesterol são, portanto, outra área de grande importância. Na verdade, a maior parte desta questão suplementar (a partir do capítulo 4 em diante) é dada para a nossa análise pormenorizada e crítica das diretrizes publicadas pela Sociedade de Arteriosclerose do Japão. Dedicamos uma grande parte deste trabalho a estas orientações porque elas são geralmente bem respeitadas no Japão, e a administração de saúde pública do país está de acordo com elas, sem dúvida. Os médicos também tendem a simplesmente obedecer às orientações; suas cargas de trabalho muitas vezes não lhes permitem explorar a questão de forma rigorosa o suficiente para aprender a verdade por trás e eles têm medo de litígios, se não seguirem as orientações na prática diária.

Estes capítulos descrevem claramente algumas das falhas nas orientações – falhas que são tão graves que torna-se claro que os tempos devem mudar e as orientações devem ser atualizadas. Nosso objetivo ao escrever esta edição suplementar é ajudar todos a compreender o problema do colesterol melhor do que antes, e nós esperamos que colocando para fora o caso do porquê uma mudança de paradigma no tratamento do colesterol é necessária, e mais cedo do que mais tarde. Gostaríamos de deixar claro que não recebemos nenhum financiamento em apoio para escrever ou publicar esta edição complementar e as nossas declarações de conflitos de interesse são dados na íntegra no final.

Aqui está a introdução ao capítulo sobre o colesterol e mortalidade:

Todas as causas de mortalidade é o resultado mais adequado para usar quando fatores de risco para doenças fatais é investigado. A seção 1 discute a mortalidade por todas as causas de acordo com os níveis de colesterol, como determinado por grandes estudos epidemiológicos no Japão. No geral, uma tendência inversa é encontrada entre a mortalidade por todas as causas e total (ou lipoproteína de baixa densidade [LDL]) dos níveis de colesterol: A mortalidade é mais elevada no grupo colesterol mais baixo, sem exceção. Se limitado a pessoas idosas, esta tendência é universal. Como discutido na Seção 2, idosos com os mais altos níveis de colesterol têm as mais altas taxas de sobrevivência, independentemente de onde eles vivem no mundo.

Eu não acho que eu realmente precise dizer mais nada, a não ser para repetir esse fato. Se você tem um alto nível de colesterol (LDL), você vai viver mais tempo. Isto é especialmente verdadeiro para os idosos.

Ann Nutr Metab 2015; 66 (suppl 4): 1-116 DOI:

“Venho a esclarecer que esse site não serve de consultas, portanto não pretende substituir as recomendações do seu médico e/ou outro profissional de saúde”

Outra notícia boa… Você está querendo emagrecer mas está tendo dificuldades?? Então faça o coaching de emagrecimento para perder peso com tranquilidade de um jeito que você nunca tentou antes.

Me mande uma mensagem e agende uma consulta o quanto antes 😉


 

                                                      Atendimento personalizado – Até 10x no cartão

Inscreva-se para receber artigos como este por e-mail!

3 Comentários

  1. Marcelo disse:

    Confesso que, mesmo lendo textos como esse, fico preocupado com a elevação do colesterol total após a adoção da dieta primal. Meu colesterol total, que já era elevado para os padrões da medicina atual, aumentou para 265 mg/dl. Meu endocrinologista mandou diminuir o consumo de carnes e etc., etc..
    Fiquei preocupado, parei de consumir a manteiga e diminuí as carnes, embora o hdl seja relativamente alto, 64 mg/dl, e hldl ser baixo.
    Estou procurando um ponto de equilíbrio.

  2. Helder disse:

    Segundo Mark Sisson, não há motivos para se preocupar tanto assim com o colesterol considerado alto. O que na verdade está relacionado com os problemas do coração são os biomarcadores apontando processos inflamatórios, que, diga-se de passagens, são desencadeados pelo consumo de açúcares e hidratos de carbono.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *