Increva-se para receber conteúdo novo por email

Metade da população está diabética e pré-diabética

quadrado incial

Por: Robert Glatter, MD 

Um sinal de alerta nacional para intensificar os esforços para controlar a crise de obesidade, com maior foco na dieta, monitorar o açúcar no sangue, insulina e exercícios de resistência de alta intensidade.

De acordo com um estudo publicado on-line no JAMA hoje, quase 50% dos adultos que vivem nos EUA têm diabetes ou pré-diabetes, uma condição em que uma pessoa produz elevados níveis de insulina e açúcar no sangue e está em risco de desenvolver diabetes.

A diabetes, uma condição onde o açúcar no sangue está elevado constantemente devido a resistência à insulina, é o resultado da obesidade e da má alimentação que conduz à síndrome metabólica .

A diabetes é uma doença dispendiosa nos EUA, acumulando um número estimado de 245 bilhões de dólares gastos em 2012, relacionados com o consumo e utilização dos recursos de cuidados de saúde, bem como perda de produtividade e absenteísmo, de acordo com os pesquisadores do estudo. Diabetes pode danificar os vasos sanguíneos, os olhos e os rins, também resultando em má cicatrização de feridas e infecções devastadoras dos tecidos. Cerca de 71 mil pessoas morrem anualmente devido a complicações associadas com diabetes, com base em estatísticas recentes da American Diabetes Association.

sugar_stacks_18

Os investigadores do estudo definiram diabetes não diagnosticada como pessoas que possuem glicose no sangue em jejum acima de 126 mg / dl ou uma hemoglobina A1C acima de 6,5%, uma medida de controle de glicose a longo prazo. Pré-diabetes foi definida como tendo um açúcar no sangue em jejum de 100-125 mg/dl, ou uma hemoglobina A1C de 5,7- 6,4%. Os pesquisadores avaliaram 5.000 pacientes que fizeram parte de uma pesquisa nacional projetada para avaliar a prevalência de diabetes e explorar as tendências em diferentes subgrupos e etnias.

Os resultados do estudo indicam que, em 2012, entre 12% e 14% dos adultos tinham diabetes, os dados mais recentes disponíveis. A maioria destes são diabéticos tipo 2, resultado de má alimentação e obesidade. Os pesquisadores também descobriram que as taxas de diabetes entre os americanos-asiáticos que antes eram uma população não estudada foram tão elevadas como as taxas observadas entre outras minorias. Até 20% dos asiáticos americanos tinham diabetes, com quase 50% deles sem mesmo estarem cientes de sua condição.

Dados adicionais estudo também revelaram que até 22% dos afro-americanos tinham diabetes, em comparação com 11% entre os brancos. Quase 23% dos hispânicos e 20% dos asiáticos foram observados como portadores da diabetes.

Importante notar, a proporção de diabetes não diagnosticadas foi muito alta em hispânicos e asiáticos-americanos 50%, ao mesmo tempo que foi apenas cerca de 33% de branco e negros.

Os pesquisadores também observaram um aumento acentuado na diabetes entre 1990-2008, com a incidência permanecendo estável depois de 2008.

De acordo com os pesquisadores, “a prevalência de diabetes aumentou significativamente ao longo do tempo em todas as faixas etárias, em ambos os sexos, em todos os grupos raciais e étnicos, por todos os níveis de ensino e em todos os grupos de renda.”

Os pesquisadores também estratificaram os participantes do estudo por IMC, ou índice de massa corporal, um indicador de obesidade derivado da divisão do peso (em kg) pela altura em metros quadrados.  “Quando classificados pelo IMC, diabetes só aumentou entre as pessoas com um IMC alto”, escreveram os pesquisadores. Um IMC > 30 indica que uma pessoa tem obesidade. A única exceção foi observado entre asiático-americanos onde IMC médio de 25, classificando-os com excesso de peso, mas não como obesos.

Um estudo do CDC publicado em 2014 observou que 29 milhões de pessoas nos EUA tinham diabetes, com 86 milhões classificados como tendo pré-diabetes, quase um terço da população adulta dos Estados Unidos.

Monitoramento da insulina e do açúcar no sangue como prevenção da diabetes

 A pergunta natural é: como podemos proteger e monitorar pessoas antes que elas desenvolvam diabetes. Enquanto Hb A1C é certamente uma maneira precisa para alcançar este objetivo, o uso de sensores e novas tecnologias, como a fluorescência utilizada por pesquisadores da Universidade de Leeds, em Londres, para acompanhar de forma não invasiva e monitorar esses parâmetros e Hb A1C e de açúcar no sangue podem ser a próxima fronteira.

Os números surpreendentes sobre desordens metabólicas, como diabetes e síndrome metabólica em nosso país e em toda as nações industrializadas é uma chamada à ação”, disse Richard Able, Fundador, X2 Biosystems e Partner, Stratos Grupo Seattle.”

Profissionais acreditam que a detecção e monitoramento precoce é a chave para ajudar os pacientes a evitar a chegada dos pacientes no estado pré-diabético, mantendo uma estreita vigilância sobre os níveis de insulina açúcar no sangue.

Os médicos e os pacientes devem estar se auto monitorando para acompanhar  a regressão ou progressão da doença”, explicou.

imagem coaching 1001 pixels

Outra notícia boa… Você está querendo emagrecer mas está tendo dificuldades?? Então faça o coaching de emagrecimento para perder peso com tranquilidade de um jeito que você nunca tentou antes.

Me mande uma mensagem e agende uma consulta o quanto antes 😉


 

                                                      Atendimento personalizado – Até 10x no cartão

Inscreva-se para receber artigos como este por e-mail!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *