Minha experiência com a dieta Primal

Tenho seguido diversas dietas ao longo dos últimos anos, mas nenhuma delas foi como a dieta Primal, pois neste caso não fiz para perder um grande volume de peso e sim para recuperar massa muscular e não gordura corporal (pois claro, como toda mulher, não quero engordar). Eu vinha de uma passado de vegetarianismo e de um veganismo frugívoro, sendo que nesse último perdi bastante peso, até demais.

Por apresentar uma série de problemas decorrentes do frugivorismo vegano, como perda de cabelo, excesso de acne, perder praticamente a vida social pois como só comia frutas e vegetais, estava procurando algo novo, mas não sabia o que era, porque apesar desses malefícios citados, eu tive benefícios por ter cortado laticínios e farináceos.

1368978_10201961245414772_1699733246_n

Como a maioria dos ex-frugívoros que acompanhava em blogs estrangeiros, resolvi ler o livro do Mark Sisson sobre a dieta Primal e seguir a dieta que ele propõe, que é praticamente o oposto do frugivorismo. O frugivorismo vegano proposto pelo Dr. Douglas Graham, no livro The 80/10/10 diet ele promove a ideia de que a dieta ideal é composta de 80% de carboidrato do total de calorias ingeridas, sendo elas provenientes de frutas, 10% no máximo de gordura e 10% no máximo de proteína. Ou seja, uma dieta totalmente low fat (baixa em gordura) e high carb (alta em carboidratos). Segui por motivos ideológicos e emagreci bastante.

Quando li o livro do Mark Sisson, foi praticamente o oposto. Ele já propõe uma dieta high fat, sem focar nas calorias como a outra dieta, mas com outra base, muito óleo de coco, manteiga, azeite, carne, creme de leite, leite de coco, peixes, frango e frutos do mar. Incluindo bastante saladas e sopas. O controle se dá pela quantidade de carboidrato, no caso ele tem uma tabela de consumo que se encontra disponível no PrimalBrasil. Como eu não queria perder peso, eu consumia 150 gramas de carboidrato por dia, em média, às vezes mais às vezes menos. Esse controle eu fazia usando o aplicativo My Fitness Pal, o que já usava antes pra fazer o controle da 80/10/10 e continuo usando hoje.

Os benefícios da dieta primal pra mim foram: como confirmado pelo frugivorismo, o corte do glúten da alimentação e da lactose, o que realmente me fez “perder a barriga” (o que inclusive é defendido no livro lançado em português recentemente, Barriga de Trigo). Também não ficava com gases, nem barriga inchada após a alimentação. Creio também que o corte do trigo contribuiu para que eu não tivesse mais crises de enxaqueca. Na verdade acredito que foi o corte de diversos grãos, mas principalmente o trigo. Já sabia disso porque há 3 anos eu era uma ávida consumidora de cerveja e lembro que quando parei de tomar esse “pão líquido”, perdi muito peso e desinchei.

1376012_10201961247454823_1910003657_n

Um outro benefício é que as receitas são realmente muito gostosas, com bacon, gorduras boas (óleo de soja não pode), saladas deliciosas com frutas, carnes com cortes gordos. Essa ultima parte é boa porque não precisa ser limitada, somente as frutas que não podem ser exageradas.

O que aconteceu foi que recuperei meu peso sim, mas principalmente em forma de massa magra. Recomendo para qualquer pessoa, fazer experimento de cortar alimentos com glúten e com lactose, o efeito no corpo e na saúde é imediato!

Segui a dieta Primal por seis meses, mas após esse período passei por algumas mudanças, resolvi incluir mais carboidrato na dieta, pois como sou corredora e conheço muitos corredores que seguem dietas diferentes, passei a comer mais carboidrato (dos bons, batata doce, mandioca, batata baroa, arroz) e diminuir um pouco o consumo de gordura.

Esta decisão foi tomada também pelo fato de eu ter ficado um pouco obcecada por doces com o tempo, chegando às vezes a delirar de vontade, sendo que nunca fui fã de doces. Observei que isso não era normal, e novamente, lendo e observando meu corpo, percebi que como corredora  e gasto bastante energia, estava sentindo falta de carboidrato, pois logo que comecei a comer mais carboidratos  como a batata doce essas vontades de doce foram embora.

1371217_10201961249374871_1981446156_n

Hoje eu não sigo mais nenhuma dieta, pois passei 3 anos restringindo muito o que comia, a maior parte do tempo proteína e gordura (veganismo) e nos últimos 6 meses restringindo demais o consumo de carboidratos para uma corredora. Ainda controlo o que como usando o aplicativo e sigo alguns dos princípios da dieta primal mas ampliei bastante o meu “cardápio” e decidi que preciso relaxar, pois tenho uma tendência a ser muito radical. Hoje por exemplo, faço coisas consideradas absurdas para  algumas  das pessoas que seguem dietas, tomo sorvete desses cheios de açúcar e como pizza. Mas só de vez em quando. Mas resolvi não passar mais vontade e não ficar o tempo preocupada e me sentindo culpa.

No entanto, pela minha experiência, recomendo a dieta Paleo/Primal para quem quer perder peso ou mesmo quem gosta de experimentar dietas para observar o efeitos no corpo, para quem quer mais saúde e melhor performance nos treinos de esportes. Para corrida por exemplo, que é o que eu gosto, apesar do desacordo com algumas pessoas, que acreditam que mesmo corredores devem restringir bastante o consumo de carboidratos, para uma faixa de até 100g diárias, acredito que para o meu corpo, é sim legal consumir mais carboidrato, pois a recuperação muscular é mais rápida e a energia também. Para perder peso, acredito que vale a pena sim reduzir bastante o consumo de carboidratos, ou fazer  uma corrida leve em jejum. Mas se o objetivo for performance (no meu caso diminuir o tempo na corrida), acho melhor sim abrir mão até da estética (barriga sarada) e comer um pouco a mais.

Essa foi a minha experiência com a dieta Primal e faria de novo caso precisasse. Espero ter contribuído com esse depoimento. Boa sorte a todos que estão em busca de uma saúde/corpo melhor, assim como eu estou, sempre. 🙂

Letícia, 08 de outubro de 2013.

1392492_10201961249334870_1923160892_n

Se você também quer compartilhar sua história de sucesso, envie um email para primalbrasil@gmail.com

Obrigado!

 

2 Comentários

  1. Aline Pozzan disse:

    Parabéns Letícia.
    Está com um corpo lindo !

  2. André Cruz disse:

    Muito legal a historia da Leticia.
    Eu acompanhei alguma dessas fases através das redes sociais.
    Em relação ao carboidrato para corredores, realmente algumas pessoas falam da necessidade e outros não.
    Letícia, depois de uma lida no livro do Phil Maffetone, ele é a base dos treinamentos do Mark Allen. Se vc fizer o treinamento que ele indica, totalmente aeróbico, vc só vai precisar queimar gordura e não terá vontades loucas de consumir açúcar ou sal.
    Eu estou no início dessa mudança de treinamentos e estou gostando do que estou vendo.
    Faço todos os treinos em jejum, trabalho na faixa 180-idade (139) e chego em casa na sussa.
    No domingo, fiz 1:25 do mesmo jeito e só tomei água. O corpo aprende a queimar gordura.

    No ano passado, eu fiz uma alimentação vegana, nem todos os dias, mas na maioria das vezes. A minha imunidade foi pro pau, totalmente. Hj, nãop tenho esse problema. Não sou um paleo de carteirinha, mas estou mudando muito, só que eu como frutas, porque não vivo sem elas. Agora, o pão e o resto de trigo só em situações em que não há escolha.

    Ih, falei demais.

    Ótimo post, otima historia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *