Increva-se para receber conteúdo novo por email

Flora intestinal parte II: Curando o intestino

Por Paul Jaminet em 19 de julho de 2010.

O intestino é a linha de frente da saúde. O intestino humano abriga 100 trilhões de bactérias de milhares de espécies diferentes [ 1 ] , pois eles pesam vários quilos e compõem cerca de metade do peso seco das fezes. Para controlar essas bactérias de 70% a 80% das células do sistema imunológico do corpo são normalmente encontrados dentro e ao redor do intestino.

Um intestino saudável é protegido por uma camada mucosa que se destina a promover comensais (bactérias amigáveis), proporcionando uma barreira para bactérias patogênicas. Os seres humanos desenvolveram maneiras de “alimentar” as espécies de bactérias comensais. Por exemplo :

• Muco humano é feito de glicoproteínas , ou compostos à base de proteína e açúcar . Certas bactérias probióticas , tais como Bifidobacterium bifidum , são capazes de digerir muco humano . [2] Assim, o intestino humano evoluiu para produzir ” alimento” para as bactérias intestinais benéficas , garantindo que eles sejam mantidos mesmo durante longos jejuns .

• O leite materno contém açúcares especiais, chamados oligossacarídeos do leite humano, que especificamente alimentam as Bifidobacterium bifidum e asseguram que esta espécie colonize com sucesso o intestino do bebê e  evita infecções. [ 3 ]

A ausência desta barreira protetora de muco e bactérias amigáveis ​​torna o intestino extremamente vulneráveis ​​a doenças infecciosas. Os bebês prematuros que são alimentados com fórmulas infantis e não o leite materno , muitas vezes contraem uma infecção intestinal perigosa, a enterocolite necrosante . [ 3 ]

Além de bactérias patogênicas , o intestino é confrontado com uma pesada carga de toxinas. Bruce Ames e Lois Gold estimou que uma pessoa comum consome em média de 5.000 a 10.000 toxinas diferentes de plantas , acumulando 1500 mg por dia, além de 2000 mg de toxinas queimadas geradas durante o cozimento. [ 4 ]

O post de hoje se concentrará em como os 1500 mg de toxinas naturais provenientes de plantas danificam a parede intestinal e sua mucosa , deste modo causando doenças intestinais infecciosas.

 Toxidade dos cereais integrais:

Gramíneas tornaram-se os alimentos básicos da agricultura por causa de seus ricos rendimentos : uma única planta pode gerar dezenas de milhares de sementes por ano.

No entanto, esta prolífera produção de sementes sempre tornou as gramíneas atraentes para os herbívoros , e fez com que sementes desenvolvessem altos níveis de toxinas destinadas a envenenar o trato digestivo de mamíferos , permitindo, assim, que suas sementes passem através do intestino de herbívoros sem serem digeridas . São essas toxinas que fazem os grãos de cereais serem tão perigoso para a saúde humana.

A eficácia das toxinas de grãos em prejudicarem a digestão humana é representada pelo aumento da massa fecal que produzem :

Para cada grama de farelo de trigo comido, o peso fecal aumenta em 5,7 gramas. [ 5 ]

Ao inibir a digestão humana , toxinas do trigo aumentam dramaticamente a quantidade de amido não digerido atingindo o cólon . Este maior fornecimento de alimentos aumenta substancialmente a população bacteriana – e a presença de amido, o que é normalmente disponível no cólon, favorece o crescimento das espécies patogénicas.

Infelizmente toxinas do trigo fazem  muito mais do que prejudicar a digestão de alimentos. Eles também danificam o próprio intestino .

Trigo contém um coquetel de toxinas engenhosas:

O glúten, um complexo de proteínas, inspira na resposta imune que inflama o intestino em pelo menos 83 % das pessoas [ 6 ], e faz com que o intestino fique permeável, permitindo que as bactérias do intestino e suas toxinas entrem no corpo. [ 7 ] O glúten desencadeia anticorpos anti – trigo em, pelo menos, 30 % da população e os auto-anticorpos, ou seja, anticorpos que atacam as células humanas – em, pelo menos, 0,4 % da população. [ 8 ] Estas pessoas infelizes sofrem de doença celíaca , que assola do intestino, bem como a tiroidite auto-imune. [ 9 ]

Os peptídeos opióides produzem efeitos semelhantes à morfina e heroína. Opióides do trigo têm sido considerado como causadores da esquizofrenia . [ 10 ]

trigo paes

A aglutinina do gérmen de trigo é uma lectina ou uma proteína que se liga a açúcares. Em doses muito baixas, algumas partes por bilhão, WGA causa inflamação do intestino e leakiness . Em doses alimentares típicos ,a aglutinina do gérmen de trigo (WGA) causa descamação da borda em escova do intestino e redução da área da superfície do intestino.[ 11 ] WGA sozinho pode induzir a doença celíaca em ratos . [12 ]

Por mecanismos desconhecidos, grãos podem induzir doenças causadas por deficiência de vitamina. Trigo e aveia induzir ao raquitismo [13 ] enquanto o milho induz a pelagra (deficiência de niacina) . [14

Uma vez que tão pouco quanto 1 miligrama de glúten por dia pode impedir que a recuperação da doença intestinal [ 15 ] , é essencial que os grãos sejam totalmente eliminados da dieta nestes casos.

Toxicidade das leguminosas:

Leguminosas também contem uma variedade de toxinas que suspendem a digestão e danificam o intestino. Alguns exemplos:

fitoemaglutina , uma lectina de feijão , faz com que o intestino fique permeável; bloqueie a produção de ácido no estômago, promovendo o crescimento excessivo de bactérias do intestino delgado; cria uma população excessiva no intestino de células imaturas que são facilmente colonizados por E. coli e outros agentes patogénicos, prejudica o muco e encurta o intestino villi .[ 16 ]

inibidores de alfa-amilase em leguminosas atrapalham a digestão do amido e causa um inchaço no intestino e multiplicação das bactérias intestinais patogênicas. [ 17 ]

Anticorpos da proteínas de soja foram identificados em indivíduos com doenças como a duodenite, doença de Crohn, colite ulcerativa, e doença celíaca, e estas doenças são algumas vezes curadas quando a soja é removida da dieta . [ 18 ]

Devo ressaltar que a alergia ao amendoim e a soja são uns dos tipos mais comuns alergias. Isso destaca a considerável resposta imune que a toxina de leguminosas podem gerar.

 Toxicidade do Omega -6:

A maioria das pessoas está familiarizada com as evidências ligando a proporção do consumo de ômega-6/ômega-3 com a doença cardiovascular. A maioria dos americanos têm uma proporção de ômega-6 e ômega-3 no tecido que é dez vezes mais alta que culturas com uma melhor proporção ômega-6 e ômega -3, como os esquimós da Groelândia e os japonês, sendo que ambos têm taxas muito mais baixas de doenças cardíacas.

Uma vez que o efeito de um excesso de ômega -6 aumenta significativamente a inflamação e prejudicar a função imunológica, é lógico que uma proporção elevada agrava doenças inflamatórias intestinais.

E ele é claro, agrava! O estudo da EPIC (Investigação Prospectiva Europeia sobre Câncer e Nutrição) coletou diários alimentares de 203.193 pessoas e os acompanharam por quatro anos [19] :

• Estar no quadrante superior de ingestão de ômega -6 ácidos graxos aumenta o risco de colite ulcerativa em 149 %.

• Estar no quadrante superior de ingestão de ômega -3 DHA , que é abundante em salmão e sardinha, reduziu o risco de colite ulcerativa em 36% – 77% após o ajuste para a ingestão de ômega-6. (Aparentemente aqueles que comiam mais ômega-3 também comiam mais ômega-6).

Outro estudo descobriu que estar na parcela superior da ingestão de DHA (ômega 3) reduziu o risco de colite ulcerativa em cerca de 50 %. [ 20 ]

O resultado: qualquer pessoa com doenças inflamatórias intestinais deve limitar estritamente o consumo de ômega-6 e se esforçar para comer um quilo por semana de salmão ou sardinha.

Toxidade da Frutose (metade do açúcar):

A frutose é um açúcar que é tóxico para os seres humanos e inútil – mas é uma rica fonte de energia para as bactérias. O consumo de frutose promove fortemente o crescimento bacteriano no intestino e aumenta os níveis de endotoxinas bacterianas do corpo. [ 21 ]

açucar tóxico

Da fibra:

A maioria das pessoas acha que a fibra é indigesta e que sai nas fezes. Isso não é verdade. A fibra é indigerível para os seres humanos, mas não para as bactérias. A fibra serve de alimento a bactérias que permite que as bactérias do intestino se multipliquem. Bactérias, não alimentos não digeridos, compõem a maior parte do peso seco das fezes. [ 22 ]

Os médicos geralmente recomendam fibras para pacientes com doença intestinal. Embora não seja totalmente sem mérito, este conselho geralmente age contra os pacientes.

Há três problemas: Ajudar bactérias a se alimentarem e se multiplicarem pode ser indesejável, fibras, como os farelos de grãos de cereais, muitas vezes contém proteínas tóxicas e, por fim, todas as fibras de grãos e outro compostos “ásperos e volumosos” danificam a parede intestinal. Dr. Paul L. McNeil explica que:

Quando você come alimentos ricos em fibras, eles chocam-se contra as células que revestem o trato gastrointestinal, rompendo assim seu revestimento externo, prejudicando a flora intestinal.[ 23 ]

Isso não pode ser uma coisa boa.

E não é. No experimento Dieta e Reinfarto (DART), publicado em 1989, 2.033 homens britânicos foram divididos em um grupo com alto teor de fibras e um grupo controle. O grupo de altao teor de fibra comeram grãos integrais e dobraram sua ingestão de fibras de cereaisde  9 para 17 gramas pao dia. O resultado? Mortes no grupo de alto teor de fibras foram 22% maiores durante o curso do estudo – 9,9% do grupo de controle morreram, em contraste com 12,1 % do grupo com alto teor de fibras. [ 24 ]

Fibras solúveis mais macias de frutas e alguns vegetais são muito mais susetíveis a ajudar do que o farelo de trigo, mas até mesmo elas podem ser algo bom apenas com moderação, ou bom apenas para um intestino saudável. Fibras alimentam bactérias patogénicas, assim como bactérias probióticas, e aumenta as populações de ambos. Quando o intestino está danificado e permeável, mais bactérias significam mais toxinas bacterianas e mais patógenos infiltrando o corpo. Uma dieta pobre em fibras, levando à redução de populações de bactérias no intestino, pode ser desejável para pacientes com doença intestinal.

Sim, é possível obter fibra demais!

Too-Much-Fiber1

                                        Traduzindo: “Você está consumindo fibra demais”.

Outros alimentos tóxicos:

Solanáceas, plantas e sementes de todas as espécies também podem conter toxinas e também pode ser necessário restringi-las para pessoas com intestino danificado.

Proteínas do leite pasteurizado, especialmente a caseína da vaca, também são muitas vezes problemática para as pessoas com intestino danificado.

Em geral, todos os alimentos que normalmente produzem alergias tendem a causar problemas em pessoas com intestino danificado.

Todas as proteínas vegetais são arriscadas, como são as proteínas do leite e ovos. É possível minimizar o risco por meio de:

• Comer manteiga clarificada, mas abster-se de laticínios ricos em proteínas (queijos e leite).

• Comer gema de ovo, mas evitar as claras de ovo ricas em proteínas.

Resumo dos alimentos tóxicos para eliminar ou evitar:

Resumindo, pacientes com doenças intestinais devem eliminar os alimentos tóxicos de suas dietas:

• Eliminar todos os grãos, exceto o arroz branco talvez. Trigo, aveia e milho e os seus produtos, como farinha de trigo, amido de milho, pão e massas, devem ser eliminados.

• Eliminar todas as leguminosas, especialmente a soja , feijão e amendoim.

• Elimine óleos ricos em omega 6, tais como óleo de soja , óleo de cártamo, óleo de milho, óleo de amendoim  e óleo de canola .

• Elimine açúcares, frutose, com exceção de frutas. Não beba bebidas que contêm açúcar (sucos e refrigerantes).

Minimize fibras para manter baixo a população bacteriana do intestino e evitar danos na parede intestinal.

Minimize outras fontes de proteína potencialmente tóxicas. Em geral, a proteína deve ser obtida a partir de carnes de animais e peixes, não ovos, laticínios, ou plantas. No entanto, as gorduras de leite e ovos são altamente desejáveis.

Quando a saúde do intestino é restaurada, laticínios podem ser introduzidos na dieta. No entanto, os principais alimentos tóxicos – grãos, legumes , óleos 6 -rico- ômega , e frutose – deve ser eliminado para a vida toda.

Preenchendo as lacunas na dieta:

Para a maioria das pessoas eliminar os grãos abrirá uma grande lacuna na dieta. Alimentos que podem ser usados ​​para preencher essa lacuna incluem:

• alimentos vegetais Saudáveis ​​como os “amidos seguros”, tais como, batata doce e inhame, frutas, arroz branco, taro e bagas.

• gordura saturada e óleos ricos em gorduras, manteiga clarificada, óleo de coco, óleo de palma, manteiga de cacau (sim, sobremesas de chocolate são saudáveis!), Junto com azeite e banha de porco. Faça molhos de salada caseiros com estes óleos, ao invés de comprar carnes falsas no supermercados feitas com soja ou óleo de canola.

Otimize o consumo de ômega-3 ingestão e preze por um consumo baixo de ômega-6, isto inclui consumir carnes, carnes vermelhas (carne de cordeiro), frutos do mar, e consumir pelo menos 1 vez por semana uma porção de salmão ou sardinhas frescas, ricas em gorduras omega-3.

Sardines escabeche

Quando o intestino delgado está estremamente danificado, alimentos ricos em gordura podem ser difícil de tolerar, uma vez que as enzimas que digerem as gorduras e as proteínas dietéticas podem também digerir as células humanas. Nesses casos, a dieta deve se concentrar em alimentos ricos em amido, como a batata, até que a saúde do intestino seja restaurada. Não se esqueça de complementar com vitaminas e minerais nesses casos.

 

Conclusão:

Eliminar toxinas alimentares pode curar doenças intestinais e sempre melhora o prognóstico.

Para continuar lendo os próximos artigos clique emLER PARTE III

CTA-principal4

Referencias:

[1] Fujimura KE et al. Role of the gut microbiota in defining human health. Expert Rev Anti Infect Ther. 2010 Apr;8(4):435-54. http://pmid.us/20377338.

[2] Ruas-Madiedo P et al. Mucin degradation by Bifidobacterium strains isolated from the human intestinal microbiota. Appl Environ Microbiol. 2008 Mar;74(6):1936-40. http://pmid.us/18223105.

[3] Bode L. Human milk oligosaccharides: prebiotics and beyond. Nutr Rev. 2009 Nov;67 Suppl 2:S183-91.http://pmid.us/19906222. Hat tip Dr. Art Ayers.

[4] Ames BN, Gold LS. Paracelsus to parascience: the environmental cancer distraction. Mutation Research2000 Jan 17; 447(1):3-13. http://pmid.us/10686303

[5] Cummings JH. The effect of dietary fibre on fecal weight and composition. Pp 547–73 in: Spiller GA, ed.Handbook of dietary fibre in human nutrition. 2nd ed. Boca Raton, FL: CRC Press, 1993.

[6] Bernardo D et al. Is gliadin really safe for non-coeliac individuals? Production of interleukin 15 in biopsy culture from non-coeliac individuals challenged with gliadin peptides. Gut 2007 Jun;56(6):889-90.http://pmid.us/17519496.

[7] Drago S et al. Gliadin, zonulin and gut permeability: Effects on celiac and non-celiac intestinal mucosa and intestinal cell lines.  Scand J Gastroenterol. 2006 Apr;41(4):408-19. http://pmid.us/16635908.

[8] Not T et al. Celiac disease risk in the USA: high prevalence of antiendomysium antibodies in healthy blood donors. Scand J Gastroenterol. 1998 May;33(5):494-8. http://pmid.us/9648988.

[9] Sollid LM, Jabri B. Is celiac disease an autoimmune disorder? Curr Opin Immunol. 2005 Dec;17(6):595-600. http://pmid.us/16214317.

[10] Singh MM et al Wheat gluten as a pathogenic factor in schizophrenia. Science. 1976 Jan 30;191(4225):401-2. http://pmid.us/1246624. Dohan FC et al 1984 Is schizophrenia rare if grain is rare?Biol Psychiatry. 1984 Mar;19(3):385-99. http://pmid.us/6609726.

[11] Lorenzsonn V, Olsen WA. In vivo responses of rat intestinal epithelium to intraluminal dietary lectins.Gastroenterology. 1982 May;82(5 Pt 1):838-48. http://pmid.us/6895878.

[12] Sjölander A et al. Morphological changes of rat small intestine after short-time exposure to concanavalin A or wheat germ agglutinin. Cell Struct Funct. 1986 Sep;11(3):285-93.http://pmid.us/3768964.

[13] Mellanby E. (March 15 1919) An experimental investigation on rickets. The Lancet 193(4985):407-412.

[14] Carpenter KJ, Lewin WJ. A critical review: A reexamination of the composition of diets associated with pellagra. J Nutr 1985 May;115(5):543–552. http://pmid.us/3998856.

[15] Biagi F et al. A milligram of gluten a day keeps the mucosal recovery away: a case report. Nutr Rev.2004 Sep;62(9):360-3. http://pmid.us/15497770.

[16] Kordás K et al. Phytohaemagglutinin inhibits gastric acid but not pepsin secretion in conscious rats. J Physiol Paris. 2001 Jan-Dec;95(1-6):309-14. http://pmid.us/11595455. Pusztai A et al. Kidney bean lectin-induced Escherichia coli overgrowth in the small intestine is blocked by GNA, a mannose-specific lectin. J Appl Bacteriol. 1993 Oct;75(4):360-8.  http://pmid.us/8226393. Prykhod’ko O et al. Precocious gut maturation and immune cell expansion by single dose feeding the lectin phytohaemagglutinin to suckling rats. Br J Nutr. 2009 Mar;101(5):735-42. http://pmid.us/18644165. Flora intestinal

[17] Pusztai A et al. Inhibition of starch digestion by alpha-amylase inhibitor reduces the efficiency of utilization of dietary proteins and lipids and retards the growth of rats. J Nutr. 1995 Jun;125(6):1554-62.http://pmid.us/7782910.

[18] Haeney MR et al. Soya protein antibodies in man: their occurrence and possible relevance in coeliac disease.  J Clin Pathol. 1982 Mar; 35(3):319-22.  http://pmid.us/7040491.

[19] IBD in EPIC Study Investigators. Linoleic acid, a dietary n-6 polyunsaturated fatty acid, and the aetiology of ulcerative colitis: a nested case-control study within a European prospective cohort study. Gut. 2009 Dec;58(12):1606-11. http://pmid.us/19628674.

[20] John S et al. Dietary n-3 polyunsaturated fatty acids and the aetiology of ulcerative colitis: a UK prospective cohort study. Eur J Gastroenterol Hepatol. 2010 May;22(5):602-6. http://pmid.us/20216220.

[21] Bergheim I et al. Antibiotics protect against fructose-induced hepatic lipid accumulation in mice: role of endotoxin. J Hepatol. 2008 Jun; 48(6): 983-92. http://pmid.us/18395289. Flora intestinal

[22] Stephen AM et al. Effect of changing transit time on colonic microbial metabolism in man. Gut. 1987 May;28(5):601-9. http://pmid.us/3596341.

[23] Quoted in Science Daily, http://www.sciencedaily.com/releases/2006/08/060823093156.htm. Hat tipDr. Michael Eades.

[24] Burr ML et al. Effects of changes in fat, fish, and fibre intakes on death and myocardial reinfarction: diet and reinfarction trial (DART). Lancet. 1989 Sep 30;2(8666):757-61. http://pmid.us/2571009. Hat tipStephan Guyenet.

[25] Berti I et al. Usefulness of screening program for celiac disease in autoimmune thyroiditis. Dig Dis Sci. 2000 Feb;45(2):403-6. http://pmid.us/10711459.

[26] Mainardi E et al. Thyroid-related autoantibodies and celiac disease: a role for a gluten-free diet? J Clin Gastroenterol. 2002 Sep;35(3):245-8. http://pmid.us/12192201.

 

13 Comentários

  1. Roseane disse:

    Olá. Vi que no artigo você recomendou a manteiga clarificada. Eu tenho usado há uns 3 meses para cozinhar. Faço em casa, com manteiga comprada no supermercado. A última vez que fiz usei a Itambé Extra sem sal. Leite eu não bebo mais, tem uns 4 meses. Porém ontem, li no site do Dr. Victor Sorrentino um artigo sobre o leite, onde ele mostra estudos que revelam que o leite contém vários tipos de hormônios, resíduos de antibióticos, até pus das tetas da vaca, além de todo o sofrimento do animal que é tratado como uma máquina 🙁 Aí eu fiquei na dúvida se a manteiga, mesmo a clarificada, seria realmente saudável. Se o leite contém todas essas coisas, a manteiga também deve conter, não? Os queijos também, o iogurte. Tenho feito iogurte natural em casa, com leite de saquinho e BioRich, mas agora estou com medo. Qual a sua opinião sobre isso?

    • Bruna e Caio disse:

      A manteiga clarificada é pura gordura. Já a manteiga é a gordura quase pura, mas pode ser problemática para uma pequena minoria das pessoas que tem sensibilidade a algumas propriedades do leite. Abs

  2. bernard disse:

    Parabéns pelo espetacular Post. Parabéns Mesmo!!!
    E Muitíssimo Obrigado.

  3. Ramom disse:

    Oi. Eliminar legumes também???

    • Bruna e Caio disse:

      Olá Ramom, leguminosas(feijões,etc) no caso, não legumes! Para uma estratégia a longo prazo quantidades modestas do mesmo pode ser positivo para quem tem boa tolerância a carboidratos.

  4. Ramom disse:

    Oi, a 1 ano eu tomei amoxilicina para sinusite e tive reação alérgica no rosto. Rosto inchado, placas vermelhas e roxas, horrivel. Mas esses sintomas persistem ate hoje mesmo tendo deixado de tomar remedio. acredito que ele prejudicou minha flora intestinal. Hoje ja comecei cortar gluten, grãos, açucar(pra ver o que acontece). Eu vou começar a tomar amido resistente. Seria o remédio que desencadeou alguma doença auto imune no meu rosto?( já que foi para sinusite). Faz 1 ano e 4 meses ja praticamente e os sintomas fossem o mesmo, como se eu o tivesse tomado ontem.

  5. Mauro disse:

    quanto tempo demora pro intestino ficar novinho? e em relaçao se o intestino estiver muito danificado nao consumir muita gordura..é necessario diminuir ou pode continuar consumindo as gorduras que vai melhorar o instestino do mesmo jeito?

    • Bruna e Caio disse:

      A gordura produz efeitos benéficos para o intestino. Manteiga é rica em butirato, gordura saturada de cadeia curta, mesmo acido graxo produto da fermentação das fibras solúveis no intestino. Só há motivos para adicionar gordura.

    • Bruna e Caio disse:

      Semanas, ou meses dependendo do caso…

  6. Thiago disse:

    Olá Bruna e Caio, tenho 31 anos, sempre fui magro, mas ha coisa de um ou 2 anos atras comecei a ter muita dificuldade de manter meu peso normal, passei a ficar com uma media de 3 a 4 quilos mais magro, oque me incomodou, comecei a reparar q meu nº2 estavam estranhas: sempre esfaceladas e boiando na agua, reparei q nao gostava de comer muitas gorduras, oque sempre gostei, dai procurei um gastro q me receitou anti helminticos, e sem efeito recomendou remedio para sii, nao tomei pois senti q ele “chutou” tomei probioticos e me fizeram bem, consegui comer gordura novamente porem depois de um tempo minhas fezes voltaram a esfacelar e emagreci de novo, o que sera q pode ser? Um abraco!!!

    • Bruna e Caio disse:

      Para engordar, ou não emagrecer é ideal não restringir nenhum macro. Fibras e fontes de carboidratos diversos podem ajudar no fluxo intestinal. Obrigado e abraços

  7. Jo disse:

    Eu sofro muito com intestino preso já fiz exame colonoscopia a médica disse que eu não tenho nada
    Mas tenho fisura anal e nunca melhora porque as feses nunca amolecem queria saber o que fazer para que o intestino trabalhe empurre essas feses mais rápido…

    • Caio Fleury disse:

      É possível resolver fácil…Fibras… Feijão, psyllium, fibras diversas como suplementos (tem na farmácia e na parte de alimentos naturais do mercado), bicarbonato de sódio, entre outros. Laxantes como o Tamarine funcionam bem também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *