Increva-se para receber conteúdo novo por email

Dieta cetogênica é promissora no tratamento do Alzheimer

Por: Georgia Ede

Imagem relacionada

Dietas low-carb com suplementos de cetose são seguras e melhoram os sintomas cognitivos.

A doença de Alzheimer é uma condição devastadora que é muito difícil de tratar, e todos os medicamentos destinados a tentar ajudar foram notavelmente decepcionantes. Este estudo inovador sugere que, com alguma instrução e apoio domiciliar, pessoas com doença leve de Alzheimer podem melhorar muito a função cerebral elevando os níveis de cetonas no sangue. Este projeto piloto promissor estabelece as bases para estudos maiores e controlados, com potencial para ensinar sobre novas possibilidades promissoras para as famílias que lidam com a doença de Alzheimer.

A doença de Alzheimer é um problema de combustível cerebral

Uma vez diagnosticado com Alzheimer, a deterioração contínua é inevitável? Nós costumávamos pensar assim, mas há uma nova ciência emergente que oferece um caminho mais promissor para as pessoas que estão dispostas a mudar seu estilo de vida – especialmente sua dieta.

O cérebro humano é um consumidor de energia, exigindo um suprimento constante de combustível para alimentar células cerebrais famintas e trabalhadoras. Infelizmente, os cérebros das pessoas com demência têm grande dificuldade em queimar glicose (açúcar no sangue), o que pode levar à lentidão da atividade cerebral, ao encolhimento do cérebro e até à morte de preciosas células cerebrais ao longo do tempo.

As cetonas podem despertar o cérebro lento das pessoas com Alzheimer?

As pessoas com doença de Alzheimer têm essencialmente uma crise do metabolismo do cérebro, por isso precisam desesperadamente de uma fonte alternativa de combustível. Felizmente, exceto em casos muito avançados da doença de Alzheimer, o cérebro da pessoa com Alzheimer não tem problema algum em queimar cetonas como combustível, ao contrário da glicose. Esse fato inspirou pesquisadores da Universidade do Kansas a investigar se suplementos cetônicos e dietas com baixo teor de carboidratos que ativam a produção de corpos cetônicos poderiam ser o caminho a seguir para pessoas com a doença de Alzheimer. Seu estudo chamado de KDRAFT (Aderência da Dieta Cetogênica e Estudo de Viabilidade), testa dietas cetogênicas em pessoas com doença de Alzheimer.

Estes cientistas procuraram responder a três questões principais:

  1. As pessoas que já têm Alzheimer leve a moderada devem seguir uma dieta cetogênica?
  2. As dietas cetogênicas são seguras e bem toleradas em pessoas com doença de Alzheimer?
  3. As dietas cetogênicas têm o potencial de melhorar a memória e a cognição em pessoas com doença de Alzheimer?

Design de estudo

 

Quinze homens e mulheres com doença de Alzheimer leve a moderada participaram deste estudo de 4 meses, cada um com um cuidador dedicado para ajudar com as mudanças na dieta e monitoramento.

Nutricionistas ensinaram os participantes a comer uma dieta cetogênica de 10% de carboidratos, 20% de proteína e 70% de gordura, sem diminuir o número de calorias que eles estavam acostumados a comer.

Os participantes também receberam suplementos de óleo de MCT para tomar diariamente, começando com 10% das calorias durante a semana 1 e gradualmente aumentando para 40% das calorias na semana 4. [O óleo MCT é um tipo de gordura que se transforma rapidamente em cetonas no corpo].

Suplementos diários de multivitamínicos, vitamina D, cálcio e fósforo também foram fornecidos. Pelo menos alguns participantes também estavam tomando medicamentos inibidores de colinesterase (medicamentos como o Aricept projetado para tentar retardar a progressão do Alzheimer). Estes medicamentos não foram iniciados ou intencionalmente alterados imediatamente antes ou durante o estudo.

Os participantes monitoraram cetonas todas as noites em casa e participaram de visitas mensais ao centro de pesquisa para tomar medidas de ECG, peso / composição corporal e exames de sangue em jejum (incluindo glicose, insulina, eletrólitos, colesterol, função hepática/ renal e níveis de beta-hidroxibutirato – cetona). .

Testes cognitivos foram administrados antes do início do estudo, após três meses de dieta cetogênica, e novamente aos quatro meses (depois que os participantes voltaram à dieta habitual por um mês). Foram utilizados dois testes: o MMSE (Mini-Mental Status Examination) e o ADAS-cog (Escala de Avaliação da Doença de Alzheimer – subescala cognitiva).

Resultados

 

Pessoas com Alzheimer leve foram capazes de gerenciar com sucesso uma dieta cetogênica com a ajuda de um cuidador. Dez dos 15 participantes concluíram com segurança e sucesso o estudo de quatro meses. Todos os 10 apresentavam doença de Alzheimer leve (Quatro participantes com doença de Alzheimer moderada e uma pessoa com doença leve não conseguiram concluir o estudo devido à problemas particulares dos cuidadores). Todos os participantes permaneceram com cetose leve na maioria dos dias (em média, 60,6% do tempo), de acordo com o exame de urina em casa. Os níveis de cetona no sangue aumentaram em média de 0,11 mmol/ L antes da dieta para 0,52 mmol / L após um mês na dieta, depois caíram para 0,34 mmol/ L após dois meses e para 0,31 mmol/ L após três meses.

Ou seja, não foi cetose alta e não foi o tempo todo em cetose, o que possívelmente poderia melhorar ainda mais os resultados

A dieta cetogênica foi segura e bem tolerada. Os únicos efeitos colaterais relatados foram problemas gastrointestinais causados ​​por suplementos de óleo MCT em altas quantiades. Ninguém perdeu peso. O único exame de sangue que mudou significativamente durante a fase de dieta cetogênica de três meses foi os níveis de cetona no sangue. Os níveis de glicemia, insulina e colesterol no sangue em jejum e todos os outros marcadores clínicos medidos durante o estudo permaneceram aproximadamente os mesmos durante todo o estudo.

Novamente, o que possivelmente poderia melhorar ainda mais os resultados com a cetose mais alta e glicose mais baixa.

Os resultados dos testes cognitivos melhoraram significativamente em 9 de 10 participantes. O ADAS-cog é um teste de 70 pontos de memória, linguagem, atenção e conclusão de tarefas (formas de desenho, cartas de correspondência, etc.) Em média as pontuações foram melhoradas em mais de 5 pontos; melhor do que com qualquer medicação de Alzheimer disponível.

Por exemplo, em um estudo de 3 meses com Aricept (donepezil), os escores do ADAS-cog melhoraram em apenas 3 pontos.

Houve também um aumento estatisticamente significativo, de cerca de um ponto no MMSE.

Curiosamente, as melhorias nas notas dos testes cognitivos desapareceram quando os participantes retornaram às suas dietas usuais.

Limitações da pesquisa

 

Este foi um estudo piloto muito pequeno e não houve grupo controle para comparação. No entanto, o fato das melhorias cognitivas terem desaparecido durante o mês quatro, quando as pessoas voltaram às suas dietas usuais, sugere fortemente que o óleo MCT + dieta estavam fazendo algo bem útil.

Comentários

 

Os níveis de cetona foram modestos e inconsistentes. Muitos pesquisadores se perguntam se os resultados teriam sido diferentes se os níveis de cetona fossem mais altos e mais consistentes. Os autores relataram que as pessoas ingeriam, em média, cerca de 50 gramas de carboidratos por dia de fontes diversas, enquanto a maioria dos especialistas recomenda reduzir a ingestão diária de carboidratos para 25 gramas ou menos de fontes naturais para alcançar e manter a cetose 100% do tempo e consumir suplementos de cetose, tais como esteres e sais de cetose em conjunto para elevar muito mais a cetose.

A composição da dieta não é descrita, por isso não sabemos o que as pessoas estavam comendo e a qualidade das calorias consumidas. Foi uma dieta de alimentos integrais ou continha uma quantidade significativa de carboidratos e gorduras refinadas/processados? Os níveis de glicose/insulina não foram alterados e a cetose subiu para 3 mmol/ L apenas, ao invés de mais de 1.0 mmol/L por exemplo, o que mostra que a intervenção não foi tão forte quanto poderia ser.

Exercícios, otimização hormonal e qualidade de sono são hábitos que influenciam diretamente a progressão da doença e este já foram testados em outro estudo com sucesso.

Os suplementos MCT aumentam os níveis de cetona no sangue apenas brevemente, e não sabemos com que frequência ou a que horas do dia os suplementos MCT foram tomados. Apesar de tudo, este estudo é muito importante e destaca o potencial do uso da dieta cetogênica e suplementos de cetose para melhorar a função cognitiva.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *