Increva-se para receber conteúdo novo por email

Açúcar sanguíneo elevado é matéria-prima para crescimento do câncer

Por Dr. Mercola

História resumida

  • A obesidade pode promover o câncer através de vários mecanismos diferentes, incluindo disfunção mitocondrial, excesso de comida, excesso de açúcar em sua dieta, inflamação crônica e superprodução de certas proteínas e hormônios.
  • Estudo: Pacientes com câncer diagnosticados com diabetes tipo 2 tinham 23% mais chances de ter recebido um diagnóstico de câncer durante a década anterior ao diagnóstico de diabetes, em comparação com os não diabéticos.
  • Pesquisas anteriores mostraram que aqueles com pré-diabetes têm um risco 15% maior de câncer, especialmente câncer de fígado, estômago, pâncreas, mama e endométrio comparado com o resto da população sem pré-diabetes e diabetes

 

O fato é que o açúcar e a obesidade estão ligados a um aumento do risco de câncer está se tornando bem reconhecido. A obesidade também tem sido associada a um aumento do risco de morte por todas as causas.

Segundo pesquisa publicada em 2013, 1 em cada 5 mortes nos EUA estão associados à obesidade (1). Mais recentemente, pesquisadores publicaram descobertas de uma meta-análise de 239 estudos em quatro continentes, dizendo que o excesso de peso é responsável por 1 em cada 5 mortes prematuras nos EUA e 1 em 7 na Europa. (2,3,4)

Em média, ser moderadamente obeso pode resultar em uma redução de mais de três anos no tempo de vida. Aqueles com peso normal tinham a maior expectativa de vida e o menor risco de morrer antes dos 70 anos.

Considerando fatos como esses, não é surpresa que o custo financeiro do consumo excessivo de açúcar também seja grande.

Segundo o estudo de 2013 do Sugar Suisse Research Institute (5) “Açúcar: consumo em uma encruzilhada”, cerca de 40% dos gastos com saúde nos Estados Unidos são para doenças diretamente relacionadas ao consumo excessivo de açúcar, e isso inclui obesidade, diabetes e câncer.

Assim, alimentos processados ​​açucarados podem ser baratos na aparência mas eles exigem um preço robusto ao longo do tempo.

Dieta pode influenciar seu risco de câncer de varias formas

 

Sua dieta desempenha um papel crucial quando se trata de obesidade e problemas de saúde relacionados, como açúcar elevado no sangue, resistência à insulina e câncer. Pesquisas sugerem que a obesidade pode promover o câncer através de vários mecanismos diferentes.

Um dos principais mecanismos pelos quais o açúcar promove o câncer e outras doenças crônicas é por causar disfunção mitocondrial. O açúcar não é um combustível ideal para o seu corpo, pois queima combustível “sujo”, criando espécies de oxigênio muito mais reativas (ROS) do que a gordura quando é metabolizado.

Como resultado, quantidades excessivas de radicais livres são geradas quando você ingere açúcar, o que, por sua vez, causa danos ao DNA mitocondrial e nuclear, juntamente com o comprometimento das membranas celulares e das proteínas.

Então, ao contrário do ensino convencional, os defeitos genéticos nucleares não causam câncer. Pelo contrário, o dano mitocondrial acontece primeiro, e isso, então, desencadeia mutações genéticas nucleares. A teoria metabólica do câncer se provou verdadeira diversas vezes.

Pesquisas (6) demonstraram que os excessos de alimentação crônicos em geral têm um efeito semelhante, uma vez que colocam estresse sobre o retículo endoplasmático (ER), a rede membranosa encontrada dentro das mitocôndrias de suas células.

Quando o retículo endoplasmático (ER), recebe mais nutrientes do que pode processar, ele sinaliza a célula para  reduzir a sensibilidade dos receptores de insulina na superfície da célula.

Assim, comer continuamente mais do que o seu corpo precisa (principalmente carboidratos) realmente promove a resistência à insulina pelo simples fato de que suas células ficam estressadas pelo trabalho adicional colocado sobre elas pelo excesso de nutrientes. A resistência à insulina, por sua vez, é o coração da maioria das doenças crônicas, incluindo o câncer.

Açúcar é um importante contribuinte para o câncer

 

A maioria das pessoas que comem demais também tende a ingerir muitos alimentos carregados de açúcar, o que promove níveis elevados de açúcar no sangue e resistência à insulina. Assim, comer alimentos açucarados e refinados equivale a um duplo golpe em termos de risco de câncer, comparado a refeições inteiras e não processadas.

De fato, pesquisas recentes identificaram o açúcar como o principal contribuinte para o surto mundial de câncer. De acordo com um relatório (7) sobre a carga global do câncer, publicado em 2014, a obesidade é responsável por cerca de 500.000 casos de câncer em todo o mundo a cada ano.

A razão para isso é porque as células cancerígenas são principalmente alimentadas pela queima de açúcar anaerobicamente. Sem açúcar, a maioria das células cancerosas simplesmente não tem a flexibilidade metabólica para sobreviver.

As células normais e saudáveis ​​têm a flexibilidade metabólica para se adaptarem ao uso da glicose e ao uso de corpos cetônicos a partir de gorduras da dieta. A maioria das células cancerosas não tem essa capacidade, portanto, quando você reduz os carboidratos líquidos (carboidratos totais menos fibras), efetivamente você mata de fome as células cancerígenas. É por isso que a cetose nutricional parece ser tão eficaz contra o câncer.

De acordo com uma pesquisa recente da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, o açúcar refinado não só aumenta significativamente o risco de câncer de mama; também aumenta o risco de tumores se espalharem para outros órgãos (8).

Foi principalmente a frutose refinada do xarope de milho e do açúcar encontrada na maioria dos alimentos processados ​​e bebidas que foi responsável pelos tumores da mama e da metástase.

O Papel da Genética, Proteínas e Hormônios

 

Embora os defeitos genéticos não sejam uma causa primária de câncer, os genes ainda podem desempenhar um papel. Os cientistas descobriram que vários genes conhecidos por promover o câncer, influenciando a divisão celular – incluindo um gene chamado AKT – eles também regulam o consumo de nutrientes pelas células.

Assim, certos genes parecem ter um papel no consumo excessivo de açúcar pelas células cancerígenas. Considerando que as células saudáveis ​​têm um mecanismo de feedback que faz com que elas conservem recursos quando há falta de comida, as células cancerígenas não possuem esse mecanismo, e portanto precisam estar continuamente alimentadas para sobreviverem.

Pesquisas recentes também descobriram que as mulheres com excesso de peso que perderam peso reduziram seu risco de câncer, diminuindo seus níveis de certas proteínas ligadas ao desenvolvimento do câncer.

Estas proteínas (VEGF, PAI-1 e PEDF) promovem a angiogênese, um processo que seu corpo usa para construir os vasos sanguíneos que os tumores precisam para prosperar. Quanto maior a perda de peso das mulheres, maior a redução dessas proteínas.

Pesquisas anteriores sugerem que a perda de peso apenas em qualquer pessoa pode reduzir o risco de câncer de mama, cólon e próstata em até 20%, e acredita-se que esse efeito seja devido a reduções nessas proteínas e outros compostos inflamatórios armazenados em células de gordura (10). Quanto menos gordura inflamatória estocada no corpo melhor.

A obesidade e o sobrepeso também desencadeiam a superprodução de certos hormônios, como o estrogênio, que está associado a um aumento do risco de câncer de mama.

Dieta cetogênica pode ser chave para a recuperação do câncer

 

A cetose nutricional é parte da resposta aqui. Neste tipo de dieta, você substitui carboidratos líquidos (carboidratos totais menos fibra) com quantidades moderadas de proteínas de alta qualidade e quantidades elevadas de gordura benéfica. Uma vez que as células cancerígenas precisam de glicose para prosperar, e os carboidratos desprovidos de fibra se transformam em glicose em seu corpo, cortar os carboidratos líquidos literalmente deixa as células cancerosas famintas. Além disso, a baixa ingestão de proteínas tende a minimizar a via mTOR, que também ajuda a restringir a proliferação celular.

O vídeo de Thomas Seyfried, Ph.D que você pode encontrar no youtube, discute como um distúrbio metabólico envolvendo a desregulação da respiração, o câncer maligno (neste caso se tratou do câncer no cérebro) pode ser curado ou reduzido pela alteração do seu ambiente metabólico.

Dito isto, este tipo de dieta (baixa em carboidratos líquidos, moderada em proteína de alta qualidade e rica em gorduras saudáveis) também ajudará a normalizar seu peso e melhorar sua saúde geral pela simples razão de ajudar a converter o modo de queima de carboidratos do seu organismo para queima de gordura, o que ajuda a otimizar sua função mitocondrial.

Como o jejum pode beneficiar pacientes com câncer

 

O jejum é outra estratégia que ajuda a reverter a obesidade e otimizar a função mitocondrial, e também pode oferecer esperança na luta contra o câncer. De fato, um grupo de pesquisa está investigando a possibilidade de obter jejum intermitente aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA como uma terapia adjunta para pacientes com câncer (17,18,19).

Valter Longo, Ph.D., publicou vários estudos sobre o jejum e seu impacto no câncer. Sua pesquisa mais recente, publicada na revista Cancer Cell, (20) descobriu que o jejum durante a quimioterapia aumenta a atividade das células T que matam o câncer, melhorando assim a eficácia da quimioterapia. Conforme relatado pelo Science Daily: (21).

“Os animais roedores que receberam imitadores de restrição calórica isoladamente ou quimioterapia combinada com uma dieta de jejum tiveram massas tumorais menores ao longo do tempo do que aqueles que receberam apenas quimioterapia …

Os camundongos com câncer de mama ou de pele receberam uma dieta pobre em açúcar, pobre em proteínas, rica em gorduras e baixa em calorias e foram observados por [seis] semanas enquanto recebiam doxorrubicina, ciclofosfamida ou nenhuma droga quimioterápica. Todos os camundongos que receberam a combinação dieta-droga viram seus tumores encolherem para METADE do volume dos tumores em camundongos que receberam apenas quimioterapia.”

De acordo com Longo: 22 “O fator mais importante expondo as células cancerígenas às células T é o efeito sobre a enzima heme oxigenase-1, que normalmente está em níveis elevados nas células cancerígenas. O jejum reduz os níveis de oxigenase e dá origem a uma série de mudanças. Causa o aumento de células T citotóxicas que matam tumores. “

O que comer para uma saúde otimizada e prevenção do câncer

 

Do meu ponto de vista, ignorar a dieta como uma ferramenta de prevenção do câncer é imprudente na melhor das hipóteses. Estou convencido de que a maioria dos cânceres são evitável através de uma nutrição adequada. Evitar exposições tóxicas (como pesticidas e metais pesados) é outro fator importante, e esta é uma razão pela qual eu recomendo comer alimentos orgânicos, especialmente carnes alimentadas com capim ou pastagens de produtos de origem animal, sempre que possível.

Não se engane sobre isso, a PRIMEIRA coisa que você quer fazer se você quiser evitar ou tratar o câncer se você tem insulina ou resistência à leptina é cortar todas as formas de açúcar/ frutose e carboidratos de grãos de sua dieta. Esta etapa otimizará as vias de sinalização que, de outra forma, poderiam contribuir para a transformação maligna.

Lembre-se, o aspecto fundamental que deve ser abordado é o defeito metabólico mitocondrial discutido anteriormente, e isso envolve reduzir radicalmente os carboidratos líquidos (não-fibrosos) em sua dieta e substituí-los por gorduras de alta qualidade. Moderar seu consumo de proteína e estar atento à qualidade da proteína também é importante, pois o excesso de proteína também pode desencadear o crescimento do câncer. Para saber mais sobre isso, consulte meu artigo anterior, “Os riscos muito reais de consumir muita proteína”.

Assim, em resumo, para uma saúde ideal, você precisa de quantidades suficientes de carboidratos, gorduras e proteínas. No entanto, existem carboidratos saudáveis ​​e insalubres. Idem para gorduras e proteínas. Com base na minha revisão da biologia molecular necessária para otimizar a função mitocondrial, é sábio procurar uma dieta com as seguintes razões de nutrientes:

  • Gorduras saudáveis, 75 a 85 por cento do total de calorias. Gorduras saturadas e monoinsaturadas benéficas incluem azeitonas e azeite, cocos e óleo de coco, manteiga crua feita de leite alimentado com capim, nozes cruas como macadâmia e nozes, sementes como gergelim preto, cominho preto e sementes de cânhamo, abacate, carnes, banha de porco, ghee (manteiga clarificada), manteiga de cacau, gemas de ovos, gorduras ômega-3 de origem animal e pequenos peixes gordurosos como sardinha e anchova.

Gorduras nocivas que contribuem para a doença são principalmente gorduras trans e óleos vegetais ômega-6 poliinsaturados altamente refinados (PUFAs). Lembre-se, a glicose é um combustível inerentemente “sujo”, pois gera muito mais radicais livres (ROS) do que a queima de gordura. Mas para queimar gordura, suas células devem estar saudáveis ​​e normais. Células cancerosas não têm a flexibilidade metabólica para queimar gordura e é por isso que uma dieta rica em gorduras saudáveis ​​parece ser uma estratégia anti-câncer tão eficaz.

Quando você passa da queima de glicose como principal combustível para a queima de gordura como combustível, as células cancerosas precisam lutar para permanecerem vivas, já que a maioria de suas mitocôndrias são disfuncionais e não pode usar oxigênio para queimar combustível. Ao mesmo tempo, as células saudáveis ​​recebem um combustível ideal e preferido, o que reduz o dano oxidativo e otimiza a função mitocondrial. O efeito acumulado é que as células saudáveis ​​começam a prosperar enquanto as células cancerígenas ficam “famintas” até a morte.

  • Carboidratos, 8 a 15% de suas calorias diárias. Almejar à um consumo de alimentos ricos em fibras e baixos em carboidratos, sendo que eles devem ter um número de pelo menos metade de fibras com relação à carboidratos (Ex: abacate pequeno 12g de carboidratos para 12 de fibras). Isso significa que se o total de carboidratos é de 10% de suas calorias diárias, pelo menos metade disso deve ser fibras. A fibra tem uma série de outros benefícios para a saúde, incluindo o controle de peso e um menor risco para certos tipos de câncer (23).

Pessoalmente, acredito que todo mundo se beneficiaria da redução de carboidratos totais (não apenas de frutose) para menos de 100 gramas (g) por dia, e manteria sua ingestão total de frutose a um máximo de 25 g por dia de todas as fontes. Mas se você quiser os melhores resultados, tente manter os carboidratos totais em menos de 50g por dia.

Pacientes com câncer provavelmente seriam mais bem servidos por limites ainda mais restritos. Ao reduzir a quantidade de carboidratos líquidos que você come, você realizará quatro coisas que resultarão em inflamação reduzida e redução da estimulação do crescimento do câncer. Você irá:

  • Diminuir seu nível de glicose sérica
  • Reduzir seu nível de mTOR (exceto no tecido muscular onde é bom)
  • Reduzir o seu nível de insulina
  • Baixar o fator de crescimento de insulina-1 (IGF-1, um hormônio potente que age na glândula pituitária para induzir efeitos metabólicos e endócrinos, incluindo crescimento e replicação celular. Níveis elevados de IGF-1 estão associados a câncer de mama e outros tipos de câncer).

Eu normalmente mantenho meus carboidratos líquidos em torno de 50g por dia e faço jejuns curtos de 16-18h todos os dias e longos de 3 a 5 dias quase todo mês.  Embora isso possa parecer muito complicado, a maneira mais fácil de reduzir drasticamente o consumo de açúcar e frutose é mudar a dieta para alimentos de verdade baixos em amido.

Excelentes fontes de carboidratos ricos em fibras que você pode comer muito incluem sementes de chia, nozes cruas, couve-flor, cebola, alho, feijão verde, ervilha, brócolis, couve de Bruxelas e casca de sementes psyllium.

  • Proteínas, 7 a 10 por cento do total de calorias. A qualidade é importante, por isso procure carnes de alta qualidade alimentadas com capim ou pastagens e produtos de origem animal que tem mais qualidade biológica do que vegetal. Como regra geral, eu recomendo limitar sua proteína a 0,8 a 1 kg de proteína por kg de massa magra, que para a maioria das pessoas equivale a 40 a 70 g de proteína por dia. (Para estimar suas necessidades de proteína, primeiro determine sua massa magra. Se você pesa 70 kg e tem 15% de gordura corporal, o que sobra de peso é 85% da massa corporal, então multiplique 70 por 0.85 = 59,5g de proteínas diárias). E se você faz muito exercício diariamente e segue uma dieta cetogênica, pode considerar até 25% mais de proteínas diárias.

Novamente, a razão para limitar a proteína é porque quantidades excessivas têm um efeito estimulante na via mTOR no fígado, que desempenha um papel importante em muitas doenças, incluindo câncer.  Quando você reduz as proteínas que seu corpo precisa para a reparação e manutenção das células, a mTOR permanece inibida, o que ajuda a minimizar suas chances de crescimento do câncer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *