Increva-se para receber conteúdo novo por email

Café é bom para você?

Por Chris Kresser

Muitos estudos têm ligado beber café com efeitos positivos para a saúde, como a redução do risco de obesidade, diabetes e doenças cardíacas. No entanto, pesquisas recentes sugerem que os efeitos do café na saúde não são os mesmos para todos e pode depender da genética e outros fatores.

  • cafe4

Café

 

Eu amo o café e eu não estou sozinho.

Americanos bebem milhões de copos por dia (sim, você leu corretamente) e gastam 30 bilhões de dólares a cada ano.

A boa notícia é que há uma série de pesquisas que ligam beber café com benefícios para a saúde, incluindo menor risco de câncer, doença de Parkinson, obesidade, diabetes, síndrome metabólica e doença cardíaca. Eu cobri a pesquisa em detalhes em um podcast recente.

Aqui está a má notícia: enquanto o café é, sem dúvida, benéfico para algumas pessoas, pode ser prejudicial para os outros.

Eu falei sobre alguns dos fatores, incluindo o sono, stress e intolerância a proteínas em grãos de café, que determinam a resposta individual ao café em outro podcast a tempos atrás.

Mas há um outro fator importante a considerar: o genótipo.

O café é a principal fonte de cafeína para os americanos. A cafeína é metabolizada por uma enzima no fígado que é codificada pelo gene CYP1A2. Infelizmente, cerca de 50 por cento da população possui uma variante do gene CYP1A2 que leva a diminuição do processamento de cafeína.                                                                                                      

Para esses “metabolizadores lentos”, beber café:

  • Está associado a um maior risco de doença cardíacas (1)
  • Está associado a um maior risco de hipertensão (2)
  • Está associado a glicemia de jejum alterada (3),
  • Pode não ter os efeitos protetores contra alguns tipos de câncer que parece para “metabolizadores rápidos” (4, 5)                          

Dito isto, em alguns casos, o café parece ser benéfico mesmo para metabolizadores lentos. Por exemplo, a cafeína é neuroprotetora e reduz o risco de doença de Parkinson em ambos os metabolizadores lentos e rápidos. (6) Outros estudos têm demonstrado que ambos casos de metabolizadores de cafeína podem estar em maior risco de perda óssea. (7)

O café é bom para você? Depende.

 

Para aumentar a confusão, muitos dos grandes estudos observacionais que eu revi em meus podcasts descobriram que o efeito global do consumo de café nas populações estudadas foi positiva. Se 50 por cento das pessoas estão em maior risco de doença ao beber café por causa de seu genótipo, então por que não está aparecendo nestes estudos epidemiológicos?

O que devemos fazer com estes dados conflitantes?

A conclusão mais óbvia é que é impossível fazer uma declaração geral sobre os impactos na saúde do café. A resposta para a pergunta: “O café é bom para mim?” É: “Depende”

Isto não deve vir como uma surpresa. Se você tem acompanhado o meu trabalho por qualquer período de tempo, ou se você leu meu livro, você provavelmente já ouviu-me dizer, “Não há uma fórmula igual para todos quando se trata de dieta.”

A pesquisa mais recente sobre alimentação, incluindo estes estudos sobre o café e cafeína, confirmam que isso é verdade. Enquanto temos muito em comum como seres humanos, temos também diferenças importantes: genes, expressão gênica, a atividade metabólica, microbioma intestinal, estilo de vida, nível de atividade e numerosos outros fatores que diferem de pessoa para pessoa e todos eles terão um impacto sobre como reagimos a um determinado alimento (ou bebida, como o café).

Por exemplo:

  • Existe uma grande variação de açúcar no sangue após as refeições entre as pessoas que comem refeições idênticas e as dietas que são personalizados com base em hábitos alimentares, atividade física, e microbiota intestinal são mais bem sucedidos do que as dietas “padronizadas”. (8)                                                                                                                                              
  • A resposta à dietas low-carb ou não varia, como o sobrepeso varia consideravelmente, e pode depender da sua sensibilidade à insulina e outros fatores que ainda não são totalmente compreendidos. (9)
  • A cafeína consumida no período da tarde ou à noite perturba significativamente o sono em algumas pessoas, mas não em outras. (10)

Estes estudos representam o futuro da pesquisa de nutrição. Na verdade, eu tenho certeza de que em um período relativamente curto de tempo vamos considerar a noção atual de que existe uma dieta única, ideal para todos, como uma ideia ultrapassada e ignorante.

Outra conclusão que se pode inferir a partir dos dados conflitantes sobre o café é que, mesmo dentro de um genótipo particular, os efeitos são variáveis. Em outras palavras, alguns metabolizadores lentos podem ser afetados negativamente pela cafeína enquanto os outros não são e o oposto pode ser verdade para metabolizadores rápidos. Isso também faz sentido porque há um grande número de fatores acima e além do genótipo CYP1A2 que influencia a forma como o café e a cafeína afeta um indivíduo, desde sua dieta basal aos seus níveis de estresse e sono para sua microbiota intestinal. Também é verdade que ser um metabolizador rápido ou lento de cafeína não é binário (ou seja, apenas duas possíveis velocidades: rápido ou lento), mas mais de um espectro (que vai desde muito lento até muito rápido).

Agora que nós estabelecemos que o café e a cafeína podem ser tanto benéficos e prejudiciais, como você sabe como isso afeta você? Aqui está o que eu sugiro:

  1. Ouça o meu podcast chamado “beber café é bom para você?” em que eu discuto alguns dos fatores não-genéticos que determinam a resposta individual ao café.

2. Se você ainda não tiver feito isso, diminua o café (reduzir o seu consumo lentamente até que você pare completamente) e outras fontes de cafeína por pelo menos 30 dias. Em seguida, adicione-o novamente e veja como você responde.

Vivemos em uma época emocionante. Em algum ponto no futuro, vamos ser capazes de criar recomendações nutricionais muito mais precisas com base em fatores genéticos e epigenéticos, além de todos os outros fatores que discuti em meu livro – como o estado de saúde, estresse, estilo de vida, atividade física e objetivos.

Neste momento, estamos apenas arranhando a superfície e ainda temos muito a aprender. Mas nós já sabemos o suficiente para parar de fazer perguntas como “Será que café (ou carboidratos, gorduras, etc.) é saudável” e começar a fazer perguntas como “Será o café (ou carboidratos, gordura, etc.) é saudável para mim?”

Banner1

Outra notícia boa… Você está querendo emagrecer mas está tendo dificuldades?? Então faça o coaching de emagrecimento para perder peso com tranquilidade de um jeito que você nunca tentou antes.

Me mande uma mensagem e agende uma consulta o quanto antes 😉


 

                                                      Atendimento personalizado – Até 10x no cartão

Inscreva-se para receber artigos como este por e-mail!

3 Comentários

  1. Bruno disse:

    Muito bom artigo, como sempre. Depois de um “hiato” de quase 3 meses sem post, ótimo regresso com essa matéria sobre o nosso café do dia a dia.

  2. erick ricardo disse:

    eu acredito que seja bom mesmo minha mae com 85 anos firme e forte adora tomar cafe um pilao fresco todo dia ,, ela nao tem diabetes come muita fruta,, esta acima do peso para idade dela mais ela nao esta nem ai , o unico problema dela e a Osteoporose que e normal para essa idade mesmo com peso elevado ela anda cuida do jardim dela nao para nunca ,,,e incrivel e a genetica dela tambem tem gente magrinha toda atrofiada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *