Doenças relacionadas ao glúten tem aumentado

Por:  JANE E. BRODY


O problema de Daniel quando tinha 12 anos de idade e era um excelente aluno e atleta, começou há 20 meses, quando ele desenvolveu o que parecia ser um vírus recorrente, que toda vez o colocava na cama e tirava ele da escola por uma semana.

Em janeiro, ele pegou uma bactéria intestinal a qual ele nunca pareceu se recuperar. Ele desenvolveu fortes dores de cabeça sempre que ele tentava ler ou concentrar-se, tornou-se extremamente fraco, mentalmente inapto e incapaz de ir para a escola. Vomitou violentamente após as refeições, perdeu peso e, eventualmente, não pode mais andar sem ajuda.

“Eu tinha que levá-lo ao banheiro”, lembrou seu pai, Eduardo Tully.

Quando uma criança desenvolve uma constelação tão devastadora destes sintomas, você acha que os médicos podem considerar os exames para a doença celíaca, uma reação auto-imune ao glúten da dieta que pode destruir o intestino delgado. A consciência do problema nunca foi maior nos dias modernos.

Mas, mesmo nos ambientes médicos mais sofisticados, o diagnóstico pode ser perdido ou os testes podem ser feitos incorretamente. Ao longo de quatro dias em um hospital local, os médicos de Daniel realizaram uma biópsia intestinal. Mas apenas duas amostras foram tomadas, que não detectou os danos graves no seu intestino delgado.

Ele finalmente viu um imunologista pediátrico e foi dado o exame de sangue específico para a doença celíaca. Foi inequivocamente positivo. O diagnóstico foi confirmado por uma segunda biopsia intestinal, desta vez com as recomendadas seis ou mais amostras.

Daniel começou uma dieta rigorosa sem glúten há cinco meses e está se recuperando gradualmente. Com fisioterapia intensiva e uma dieta rica em carne, ele recupera a força perdida, o peso e resistência. Os médicos dizem que pode demorar um ano, mas ele acabará por atingir o crescimento normal – desde que ele consiga aderir religiosamente à dieta.

 O glúten é uma proteína de cereais, como trigo, centeio e cevada que contém péptidos da gliadina. Em pessoas com doença celíaca, ela pode desencadear uma reação auto-imune que danifica as vilosidades, pequenas projeções que revestem o intestino delgado, que absorvem os nutrientes dos alimentos para o corpo. Como Daniel, as pessoas com doença celíaca devem evitar trigo, centeio ou cevada, ou qualquer um dos milhares de produtos ou ingredientes feitos a partir destes grãos. Alguns também devem abster-se de aveia.
A doença ocorre em famílias: Alguns dos primeiros e segundos primos de Daniel tem, e a irmã mais nova de Daniel está agora fazendo testes. Parentes de primeiro grau de alguém com doença celíaca também devem ser testado, mesmo que eles não têm sintomas. Se outra pessoa na família imediata tem a doença, os parentes de segundo grau devem ser examinados, Dr. Joseph A. Murray, um gastroenterologista da Clínica Mayo, disse em uma entrevista.

“A doença celíaca é agora cinco vezes mais comum do que era há 50 anos, e isso não é apenas o resultado de melhores diagnósticos”, disse o Dr. Murray, que também é editor da “Mayo Clinic sem glúten”. “Nós olhamos amostras de sangue armazenadas nos nossos arquivos, o que demostrou um aumento real na incidência desta doença.”

Por razões desconhecidas, a doença celíaca afeta agora um em cada 100 caucasianos, disse o Dr. Murray. Ela ocorre em outros grupos raciais, mas acredita-se ser muito menos comum.

Higiene extrema pode ser culpada pelo aumento: a limpeza excessiva tem sido associada a um aumento das doenças auto-imunes. Mas especialistas especulam que o aumento também pode ter a ver com a forma como os grãos são criados nos dias de hoje, ou o excesso de confiança nas fórmulas infantis industrializadas que alimentam muitas crianças. Embora tradicionalmente considerada uma doença que aparece na infância, as pessoas de todas as idades podem desenvolvê-la. Uma pessoa que eu conheço foi diagnosticada em seus 50 anos e outra com 60 anos.

Mas a esmagadora maioria das pessoas com doença celíaca permanece sem diagnóstico. Os dados mais recentes mostram que apenas 17 por cento dos norte-americanos com a doença sabem que tem. Estes não estão evitando o risco do consumo do glúten que pode desencadear uma série de doenças debilitantes, às vezes, complicações fatais, incluindo câncer.

A principal razão para este atraso na detecção é a lista longa e confusa de sinais e sintomas, alguns dos quais podem ser leves o suficiente para ser facilmente ignorados ou atribuído a uma outra condição, como a síndrome do intestino irritável ou uma alergia.

Dor abdominal e inchaço são os sinais mais comuns. Mas, de acordo com uma recente revisão no jornal médico “JAMA Pediatrics”, os possíveis sintomas incluem constipação crônica ou intermitente; vômitos, perda de apetite; perda de peso (ou, em crianças, a falta de crescimento); fadiga, anemia; esmalte dentário anormal; úlceras na boca, artrite e dor nas articulações; perda óssea e fraturas; baixa estatura; puberdade atrasada; infertilidade inexplicada e aborto; dores de cabeça; perda de sensibilidade nas mãos e pés; má coordenação e instabilidade; convulsões; depressão; alucinações, ataques de ansiedade e pânico.

“Os médicos têm que elevar o seu grau de suspeita”, disse o Dr. Murray. “Pelo menos metade dos pacientes não têm diarreia. A doença pode apresentar-se de muitas maneiras.”

Cerca de um terço de seus pacientes tinham pedido aos seus médicos pelos exames, acrescentou. É extremamente importante fazer os exames e entender as características dos dano intestinais da doença. Aqueles que já estão comendo uma dieta restrita em glúten, teriam que voltar a consumir glúten (digamos, comer duas fatias de pão por dia durante duas semanas) para que o teste seja preciso.

Evitar o glúten se tornou mais fácil nos últimos anos, as empresas têm carregado prateleiras das lojas com alimentos sem glúten.

Todos os alimentos de verdade, carnes não processadas, aves, peixes, raízes, nozes, legumes e frutas são naturalmente sem glúten, e podem ser rotulados como tal. Mas por segurança, o consumidor deve ler os rótulos diligentemente para detectar perigos ocultos, como a proteína vegetal hidrogenada, e aprender a fazer perguntas sobre como os pratos foram preparados.

Banner1

4 Comentários

  1. Monica Matosinho

    Olá!
    Muito bom seu texto.
    Gostaria de saber de algum artigo sobre as consequencias do consumo do glutem, você poderia me indicar?
    Obrigada
    Monica Matosinho

    Responder
    1. Marcos

      dieta da mente, do dr.David Perlmutter.

      Responder
  2. Nelson Borges

    Completamente normal. Os cereais geneticamente modificados provocam todo tipo de distúrbios no organismo incluindo cancro.. está mais que provado a nível científico. Assim como os lacticínios provocam cancro da mama e próstata os cereais provocam a disbacteriose intestinal que origina todo tipo de alergias e inflamações da epiderme assim como Alzaimer.

    Responder
  3. Damiana

    Ótima matéria! Conhecei o mundo low carb há 18 dias graças ao seu site. Desde então, não consegui parar de ler. Ao começar a low carb, meu objetivo não era perder peso, apenas melhorar a saúde e posso garantir que nunca me senti tão bem. Inclusive, desapareceram os sintomas da depressão. Obrigada por tudo, vocês mudaram a minha vida. Pessoas como vocês fazem a diferença no mundo!

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield