Por que optar pela carne orgânica? – parte 1

Este artigo é um trecho do livro ” A dieta dos nossos ancestrais “.

As carnes orgânicas em geral são mais ricas do que as tradicionais em vitaminas e ácidos graxos essenciais. Vamos ver em detalhes quais nutrientes estão presentes nas carnes orgânicas:

Carne Bovina

ProVitamina A: Betacaroteno

Betacaroteno, um antioxidante lipossolúvel, é derivado do nome latino cenoura, que pertence à família dos químicos naturais conhecidos como carotenos ou carotenóides. Os carotenos produzem a cor amarela e laranja encontradas em frutas e hortaliças e convertida em vitamina A (retinol) pelo organismo. A vitamina A é uma vitamina lipossolúvel essencial, importante para a visão normal, crescimento dos ossos, reprodução, divisão e diferenciação celular. É responsável, especificamente, pela manutenção da superfície pelicular dos olhos e pela mucosa do trato respiratório, urinário e intestinal.

Descalzo et al, 2005 descobriu que o gado criado a pasto incorpora quantidades significativamente maiores de betacaroteno nos tecidos musculares quando comparados aos animais confinados. As concentrações variam de 0,63 – 0,45 µg/g no gado a pasto e de 0,06 – 0,5 µg/g para gado confinado, um aumento dez vezes maior em níveis de betacaroteno.

Vitamina E: alfa-tocoferol

A vitamina E é também uma vitamina lipossolúvel que existe em 8 diferentes formas com atividade antioxidante poderosa, sendo a mais ativa a alfa-tocoferol. A vitamina E também bloqueia a formação de nitrosaminas que são carcinógenos formados no estômago por conta dos nitritos consumidos na dieta.

A concentração de alfa-tocoferol natural encontrada em carne de gado confinado é de aproximadamente 2,0 µg/g de músculo enquanto no gado de pasto varia de 5.0 a 9,3 µg/g de tecido, dependendo do tipo de forragem avaliável ao animal.

Ácidos graxos Ômega 3: Ômega 6

MEGA-3~1

Os ácidos graxos Ômega 3 são considerados essenciais, o que significa que são essenciais à saúde humana, mas não podem ser produzidos pela maioria das espécies mamíferas. Por esta razão, devem ser obtidos da alimentação. Os ácidos graxos essenciais (EFAs) são polinsaturados e agrupados em duas famílias: a dos Omega-6 e a dos Omega-3. Embora haja uma diferença mínima na sua estrutura molecular, as duas famílias EFAs agem diferentemente no organismo.

Enquanto os produtos metabólicos do ácido Omega-6 promovem inflamação, bloqueio sanguíneo e crescimento de tumores, os ácidos Omega-3 agem de maneira totalmente oposta. Contudo é importante manter equilíbrio entre os dois tipos na dieta, pois estas duas substâncias trabalham em conjunto para promoção da saúde. O equilíbrio inadequado destes ácidos graxos essenciais contribui para o desenvolvimento de doenças. Vários estudos estabeleceram clara associação entre níveis baixos de ácidos graxos Omega-3 e depressão.

Como na dieta humana, a alimentação do gado ou a composição da ração tem efeito significativo no perfil de ácidos graxos do produto final. O gado a pasto incrementa o teor de Omega-3 na carne em cerca de 60% e também gera uma proporção mais favorável entre Omega-6 e Omega-3. A carne convencional contém proporção de 4:1 na proporção Ômega 6:3, enquanto o gado a pasto contém proporção de 2:1. A quantidade de lipídios por porção é altamente variável e depende do regime alimentar, genética e do corte bovino. Contudo quando o teor lipídico é padrão, uma porção de carne de gado confinado com 10% de gordura, fornece 84mg de Omega-3 em 100g de acordo com French et al, 2000.(29). A mesma porção de gado a pasto fornece 136mg n-3/porção.

A proporção ideal de Ômega 6: Ômega 3 varia na opinião de nutricionistas, de 4:1 a 2:1. A proporção na dieta média da população brasileira é de 20:1, muito acima do recomendado, devido à alimentação rica em óleos vegetais, milho e soja. Este estudo mostra que os participantes alimentados com carne de gado a pasto tiveram aumento na composição de Omega-3 nas suas plaquetas e no plasma sanguíneo, melhorando assim sua proporção de Omega-6 para Omega-3.

Ácido linoléico conjugado no gado a pasto

O termo ácido graxo conjugado (CLA) é um grupo de ácidos graxos polinsaturados encontrados na carne bovina, de carneiro, e de produtos de laticínios, que existem como uma mistura geral de isômeros de ácido linoléico conjugado posicionais e geométricos. Nas duas últimas décadas, numerosos benefícios de saúde foram atribuídos ao CLA em experimentos animais, incluindo ações para reduzir a carcinogênese, aterosclerose, estabilização da diabetes e diminuição de massa corporal gorda.

O CLA é encontrado naturalmente em várias carnes de animais ruminantes e seus produtos de laticínios, devido à atividade anaeróbica da bactéria do rúmen Butyrivibrio fibrisolvens. As pastagens verdes vicejantes são particularmente ricas neste precursor, e, portanto, as espécies ruminantes a pasto demonstraram possuir 2 a 3 vezes mais CLA que os ruminantes confinados com dietas concentradas. Na média, a carne de gado a pasto fornece aproximadamente 123mg de CLA em um hambúrguer padrão com 10% de gordura. O mesmo hambúrguer produzido com carne de gado confinado fornece 48,3mg.

Frango e ovos orgânicos

O ovo orgânico é mais nutritivo do que o ovo comum, pois tem maior concentração de alguns nutrientes como a colina por exemplo. A colina é um precursor do neurotransmissor acetilcolina, que atua na memória. A deficiência de colina pode estar associada ao aparecimento de Alzheimer. O ovo orgânico também possui 20% mais vitamina A e 15% mais cálcio do que o ovo não orgânico.

Tanto o ovo quanto o próprio frango orgânico são produzidos livres de antibióticos e hormônios, que são prejudiciais à saúde. Além disso, por serem mais bem alimentados, também possuem uma melhor distribuição de Ômega 6: Ômega 3. O frango orgânico, por exemplo, possui 38% mais Ômega 3 e 30% mais cálcio do que o convencional.

Hoje em dia já estão sendo criados galinhas que criam ovos enriquecidos em vitamina E e Ômega 3, pois são adicionados linhaça em sua alimentação, semente rica em Ômega 3, o que acaba tornando os ovos ricos em Ômega 3 como consequência. Algumas marcas já vendem ovos com cinco vezes mais Ômega 3 que os ovos brancos tradicionais, por apenas 4 ou 5 reais 10 ovos. O ovo no Brasil e em outros países em desenvolvimento é com certeza o alimento mais nutritivo e viável economicamente para a maioria da população.

Espero ter mostrado alguns dos benefícios no consumo da carne orgânica. Na sua próxima visita ao supermercado, lembre-se destas vantagens! Sua saúde agradece!

"Boi Feliz" Fonte da imagem: http://lezmacomlimao.wordpress.com/2009/05/06/deu-na-folha/

“Boi Feliz” Fonte da imagem: http://lezmacomlimao.wordpress.com/2009/05/06/deu-na-folha/

 

6 Comentários

  1. Brad

    Orgânica não tem nada a fazer com gordura essencial (ômega-3). Orgânico significa que não são usados ​​pesticidas. É importante, mas não tanto. O mais importante para os carnes é que as vacas são “alimentados com grama” (grass fed) e “grama terminou” (grass finished) e que as frangos/galinhas são levantadas “ao ar livre” (free range) para produzir ovos caipira de maior qualidade e mais ômega-3. Mas eu acho que é verdade que os bovinos brasileiro geralmente são alimentados com capim muito mais e muito menos do milho dos bovinos nos EUA. Alimentando milho para bovinos levanta a gordura Omega-6 e reduz a gordura Omega-3 e assim cria uma carne, que é menos saudável.

    O titulo “orgânico” está sendo usado para propaganda falsa. As pessoas automaticamente acham que orgânico é mais saudável do que não. Mas isso nem sempre é verdade.

    Responder
    1. Bruna machado (Publicações do Autor)

      Oi Brad, obrigada pelo seu comentário!

      Essa questão dos orgânicos realmente pode gerar alguma confusão, principalmente se comparado à produção de gado nos EUA. Como você mesmo disse, a maior parte do gado aqui no Brasil é alimentada a pasto ao contrário do que ocorre nos Eua. E aqui, não temos uma classificação para a carne como “Grass Fed Meat” como lá. De fato, nos EUA comprar carne orgânica não significa muita coisa. No entanto, aqui no Brasil, o único selo que temos como garantia da qualidade de carne é o de orgânicos, o que influencia sim na qualidade da gordura, pois além de serem alimentadas a pasto, os animais vivem livres e soltos, além de não serem tratados com hormônios e antibióticos. O mesmo se dá para ovos e frango orgânicos e caipiras. O processo de criação dos frangos e ovos tradicional aqui no Brasil é bastante industrializado (além de cruel) o que compromete muito o perfil de gordura destas carnes. A não ser que você conheça algum pequeno produtor e saiba da procedência do frango/ovos, é muito mais seguro consumir os frangos e ovos orgânicos ou caipiras.
      Concordo com você que muitas vezes o apelo do orgânico é utilizado apenas como propaganda, principalmente em casos de biscoitinhos, chocolates e outras porcarias orgânicas, que existem apenas para passar uma ideia de saúde. No caso das carnes, vejo que a preocupação com a criação adequada dos animais é grande, e não abrange apenas a não utilização de pesticidas e se você já teve a oportunidade de experimentar carnes orgânicas, verá que a diferença no sabor e textura da carne é considerável.

      Obrigada mais uma vez pela sua contribuição e pela visita!

      Abraços,

      Responder
    2. Caio Fleury

      O artigo obviamente não engana ninguém. Ele deixa claro, junto com os artigos anteriores sobre carnes orgânicas, que os maiores benefícios da carne orgânica em geral e em termos de proporção omega 3 /omega 6 vem do fato do gado ser alimentado por pasto e de outros fatores. Deixamos claro que carne orgânica é a carne alimentada por pasto e não somente livre de pesticidas, hormônios, etc. Estudos já tem demonstrado que gados alimentados por grãos somente antes do abate, mas que previamente foram alimentados por pasto, possuem qualidade de carne inferior, muito similar à carne do gado “tradicional”. Carnes orgânicas contém quantidades significantemente mais altas de omega 3 do que as não orgânicas, o que ja foi comprovado por diversos estudos.

      Responder
  2. Danilo A Ferreira

    Bom dia! Como garantir que o a carne de uma determinada marca provém de gado que foi criado a pasto até o final e que não houve confinamento ou semi confinamento? Abs

    Responder
    1. Bruna Machado (Publicações do Autor)

      Olá Danilo,

      Você deve confiar no que o fornecedor diz, ou visitar a fazenda e conferir o processo. Não é fácil no Brasil, pois não existem grandes marcas consolidadas que garantem uma criação a pasto, sem confinamento e antibióticos. Abs

      Responder
  3. SÍLEN CREMONESE

    Olá,
    Gostaria de saber onde encontrar carne bovina orgânica no Brasil? Procureo bastante, mas nunca encontrei.
    Grata.

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comments Protected by WP-SpamShield Spam Blocker

Show Buttons
Compartilhe no Face
Entre em contato
Hide Buttons