Pães e refrigerantes causam diabetes em adolescentes

Por: Nirmala George

adolescente gordo imagem

O adolescente Rohin Sarin estava em sua classe de geografia da 9ª série quando ele começou a sentir-se chocado e tonto, um sinal de que seus níveis de açúcar no sangue estavam diminuindo rapidamente. Ele removeu silenciosamente a caneta de insulina da bolsa da escola, deu uma das quatro espetadas diárias tomando uma mordida da seringa…sua barra de energia.

Os colegas de classe de 15 anos em Nova Deli na Índia viram o ritual com tanta frequência que não estão mais curiosos. Rohin faz parte de um número cada vez maior de indianos com diabetes, a doença que cada vez mais está afligindo crianças e adolescentes no país de rápido crescimento do sul da Ásia.

Mais de duas décadas de crescimento econômico rápido mudaram o estilo de vida dos indianos. As pessoas comem fora com mais frequência, e preferem comida lixo e o estilo de vida ocidental, como refrigerantes e pizza no lugar das tradicionais refeições de laticínios, lentilha e vegetais. Eles também estão mais sedentários, usando carros e transporte público em vez de caminhar ou andar de bicicleta.

As mudanças trouxeram um aumento acentuado na obesidade, juntamente com doenças de estilo de vida como diabetes, mesmo com a Índia ainda tendo alguns dos piores níveis mundiais de desnutrição e crescimento defeituoso na infância devido a uma escassez de alimentos… Sim, é bem comum ser gordo e mal nutrido ao mesmo tempo em países pobres

“Nos últimos 20 anos, estamos vendo uma enorme explosão de doenças … principalmente devido ao aumento da obesidade infantil”, disse a Dra. Monica Arora, especialista da Fundação de Saúde Pública da Índia.

Quase 30 por cento dos adolescentes da Índia são obesos, quase o dobro do número de 2010, de acordo com as estatísticas do ministério da saúde.

A Índia tem 70 milhões de diabéticos, embora não tenha dados sobre quantos deles são crianças. E provavelmente tem mais milhões de casos que não foram diagnosticados devido aos serviços de saúde públicas irregulares e uma falta de conscientização fora das grandes cidades.

Especialistas em saúde alertam que a Índia irá atingir 120 milhões de casos de diabetes, ou quase 10% da população, nos próximos oito anos. Isso a colocaria pau a pau com os Estados Unidos, que conta com perto de 10 por cento da população diabética, ou mesmo China, onde 11 por cento da população – ou 109 milhões – foram diagnosticados, de acordo com a Federação Internacional de Diabetes.

Alarmado com a tendência, o governo está trabalhando para realizar exames em 500 milhões de pessoas com mais de 30 anos que tem diabetes e outras doenças não transmissíveis até 2019 e, eventualmente, tem a esperança de poder lançar o programa de triagem para a população toda de 1,3 bilhão de pessoas. As autoridades também estão trabalhando com as escolas para “pegar crianças no estágio pré-diabético”, disse recentemente o ministro da Saúde, Jagat Prakash Nadda.

Pesquisas médicas sugerem que os indianos são geneticamente mais suscetíveis ao desenvolvimento de diabetes, graças a uma tendência a ganhar peso em torno da barriga, disse Arora. A maioria dos pacientes vem de famílias mais ricas e vive em áreas urbanas. As aldeias do campo da Índia, enquanto isso, são lares das crianças mais malnutridas do mundo. “Quando você considera os custos a longo prazo da doença, é uma perspectiva extremamente preocupante”, disse Arora.

A maioria dos casos de diabetes da Índia são de Tipo 2, ocorrendo frequentemente quando o peso extra limita a capacidade do corpo de produzir ou usar insulina para transformar os alimentos em energia. Em comparação, a diabetes tipo 1 é uma incapacidade autoimune de produzir insulina.

Os especialistas em saúde estão mais preocupados com os jovens que desenvolvem o Tipo 2, que também é conhecido como diabetes adulta. A doença exige uma vida útil de dieta, exercício e acesso a um tratamento médico adequado, sem os quais os diabéticos ficam em risco de cegueira, amputações de membros, insuficiência cardíaca ou renal e acidente vascular cerebral.

Eles aconselharam dietas mais saudáveis, mesmo para os indianos que já aderiram à cozinha tradicional. Isso significa muito menos arroz, amido e pão que agora dominam os pratos dos indianos. E não mais a adição de óleo industriais para fritar vegetais e receitas. E encontrar substitutos para os doces populares que são consumidos em ocasiões especiais de feriados nacionais e outros eventos de comemorações, como o nascimento de uma criança, aniversários ou uma compra de carro novo.

Os moradores de hoje na capital de Nova Deli estão comendo cerca de 40% mais de açúcar do que consumiam há seis décadas atrás, de acordo com a Indian Medical Association. E eles estão fazendo isso enquanto queimam menos calorias, tomando transporte público ou dirigindo carros particulares ao invés de caminhar ou andar de bicicleta. “As pessoas não se preocuparam em ganhar peso”, disse o Dr. Sutapa Agrawal, epidemiologista da Rede da Ásia do Sul para doenças crônicas. A obesidade há mais de 30 anos atrás era rara o suficiente para que um pouco de “fartura” fosse desejado, especialmente entre as crianças, de famílias ricas “.

Os médicos também estão exortando as famílias a incentivar atividades ao ar livre, ao invés de permitir que as crianças permaneçam em casa jogando videogames. “Os pais ficam mais felizes se as crianças estiverem dentro de casa. Eles sentem que pelo menos elas estão seguras “, disse Agrawal.

O menino diabético Rohin, já atendendo ao conselho dos médicos, está no campo de cricket a maioria das manhãs para um jogo rigoroso antes da escola. Nos cinco anos desde que ele foi diagnosticado com a doença, ele aprendeu a evitar doces e refrigerantes e faz malabarismos com sua agenda escolar para todo dia incluir atividades esportivas.

banner livro

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield

Show Buttons
Entre em contato
Hide Buttons