Jejum intermitente para iniciantes

 

Por: Dr. Andreas

O jejum intermitente é o antigo segredo de  saúde. É antigo porque tem sido praticado em toda a história humana. É um segredo, porque este poderoso hábito foi praticamente esquecido. Mas agora muitas pessoas estão re-descobrindo esta intervenção dietética. Pode trazer grandes benefícios se for feito direito: perda de peso, inversão de diabetes tipo 2, aumento da energia e muitas outras coisas.

Perguntamos ao grande guru sobre o jejum intermitente, Dr. Jason Fung, para montar este simples guia para iniciantes, onde você pode aprender tudo o que você quer saber sobre ele.

Introdução – Uma parte natural da vida

Jejum intermitente – Isso não significa fome? Não. O jejum difere de passar fome de uma maneira crucial. Passar fome não é deliberado nem controlado. O jejum é a retenção voluntária de alimentos por razões espirituais, de saúde ou outras.

A comida é facilmente disponível, mas você opta por não comer. Isso pode ser por qualquer período de tempo, de algumas horas até dias ou mesmo semanas em fim. Você pode começar um jejum a qualquer momento de sua escolha, e você pode terminar um jejum à vontade, também. Você pode iniciar ou parar um jejum por qualquer motivo ou nenhuma razão.

O jejum não tem duração padrão, pois é meramente a ausência do ato de comer. Sempre que você não está comendo, está em jejum. Por exemplo, você pode jejuar entre o jantar e o café da manhã do dia seguinte, um período de aproximadamente 12-14 horas. Nesse sentido, o jejum deve ser considerado uma parte da vida cotidiana.

É talvez a mais antiga e mais poderosa intervenção dietética imaginável.

Considere o termo “quebrar do jejum”. Isso se refere à refeição que quebra o seu jejum – que é feita diariamente. Em vez de ser uma espécie de castigo cruel e incomum, a língua portuguesa reconhece implicitamente que o jejum deve ser realizado diariamente, mesmo que seja por um período curto.

O jejum não é algo esquisito e curioso, mas uma parte da vida cotidiana normal. É talvez a mais antiga e mais poderosa intervenção dietética imaginável. No entanto, de alguma forma, esquecemos seu poder impressionante e ignoramos seu potencial terapêutico. Aprender como jejuar corretamente nos dá a opção de usá-lo ou não.

Balancing eating and fasting

Como o jejum intermitente funciona

 

No seu núcleo, o jejum simplesmente permite que o corpo queime o excesso de gordura corporal. É importante perceber que isso é normal e os seres humanos evoluíram para jejuar sem consequências prejudiciais para a saúde. A gordura corporal é apenas energia alimentar que foi armazenada. Se você não comer, seu corpo simplesmente “come” sua própria gordura para usar como energia.

A vida é sinônimo de equilíbrio. O bom e o mau. O yin e o yang. O mesmo se aplica ao comer e jejuar. Jejum, afinal, é simplesmente o outro lado da alimentação. Se você não está comendo, está em jejum. Veja como funciona:

 Quando comemos, mais energia alimentar é ingerida do que pode ser usada imediatamente. Parte dessa energia deve ser armazenada para uso posterior.

A insulina é o hormônio fundamental envolvido no armazenamento de energia alimentar. Insulina aumenta quando comemos, ajudando a armazenar o excesso de energia de duas maneiras distintas. Os açúcares podem ser ligados em cadeias longas, chamado glicogênio e, em seguida, armazenados no fígado. Há, no entanto, limitado espaço de armazenamento; E uma vez que este limite é atingido, o fígado começa a transformar o excesso de glicose em gordura. Este processo é chamado De-Novo Lipogenesis (que significa literalmente: Fazendo Gordura de Novo).

Parte desta gordura recém-criada é armazenada no fígado, mas a maior parte é exportada para outros depósitos de gordura no corpo. Embora este seja um processo mais complicado, não há limite para a quantidade de gordura que pode ser criada. Assim, existem dois sistemas de armazenamento de energia de alimentos complementares em nossos corpos. Um é facilmente acessível, mas com espaço limitado de armazenamento (glicogênio), e o outro é mais difícil de acessar, mas tem espaço de armazenamento ilimitado (gordura corporal).

 

O processo vai em sentido inverso quando não comemos (jejum). A insulina cai, sinalizando o corpo para começar a queimar energia armazenada que não está vindo através de alimentos mais. A glicose no sangue cai, logo o corpo deve agora puxar a glicose fora do armazenamento para queima-lá como energia.

O glicogênio é a fonte de energia mais facilmente acessível. É dividido em moléculas de glicose para fornecer energia para as outras células. Isso pode fornecer energia suficiente para alimentar o corpo por 24-36 horas. Depois disso, o corpo vai começar a quebrar a gordura corporal para obter energia.

O corpo realmente só existe em dois estados – o estado alimentado (insulina alta) e o estado de jejum (insulina baixa). Ou estamos armazenando energia alimentar, ou estamos queimando a energia estocada. É um ou outro. Se a alimentação e o jejum estiverem equilibrados, então não há nenhum ganho de peso líquido.

Se começarmos a comer no minuto em que saímos da cama e não pararmos até dormirmos, passamos quase todo o nosso tempo no estado alimentado. Ao longo do tempo, devemos ganhar peso. Nós não permitimos que nosso corpo tenha qualquer tempo para queimar a energia consumida.

Para restaurar o equilíbrio ou para perder peso, simplesmente precisamos aumentar a quantidade de tempo que queimamos energia alimentar (jejum). Em essência, o jejum permite que o corpo use sua energia armazenada. Afinal, para isso que ele existe. A coisa importante a entender é que não há nada de errado com isso. É assim que nossos corpos são projetados. Isso é o que cães, gatos, leões e ursos fazem. Isso é o que os humanos fazem.

Se você está constantemente comendo, como muitas vezes é recomendado, então seu corpo vai simplesmente usar a energia de entrada de alimentos e nunca queimará a gordura corporal. Você só irá armazená-la. Seu corpo irá mantê-la apenas por um tempo após você parar de comer. Não existe equilíbrio na vida sem jejum.

Untitled-5

Benefícios do jejum intermitente

 

·  O benefício mais óbvio do jejum é a perda de peso. No entanto, há uma miríade de benefícios além disso, muitos dos quais eram amplamente conhecidos nos tempos antigos.·          ·

Os períodos de jejum eram muitas vezes chamados de “limpezas”, “desintoxicações” ou “purificações”, mas a ideia é a mesma – abster-se de comer comida por um certo período de tempo por razões de saúde. As pessoas imaginavam que esse período de abstinência dos alimentos limparia os sistemas de toxinas de seus corpos e os rejuvenesceria. Eles estavam mais corretos do que sabiam.·          ·

Alguns dos supostos benefícios físicos do jejum incluem:·          ·

  •    • Maior clareza mental e concentração·
  •    • Perda de peso e perda de gordura corporal·
  •    • Redução dos níveis de insulina e açúcar no sangue·
  •    • Reversão do diabetes tipo 2·
  •    • Aumento da energia·
  •    • Melhoria da queima de gordura·
  •    • Aumento do hormônio do crescimento·
  •    • Redução do colesterol no sangue·
  •    • Prevenção da doença de Alzheimer (potencial)·
  •    • Vida mais longa (potencial)·
  •    • Ativação da limpeza celular (potencial) estimulando a autofagia (uma descoberta que recebeu o Prêmio Nobel de Medicina em 2016)·
  •    • Redução da inflamação

banner livro

2 Comentários

  1. Bruno

    Após um hiato de 4 meses sem post, o retorno, é sempre com ótimos artigos e riqueza no conteúdo. Muito boa, a leitura!

    Responder
    1. Caio Fleury (Publicações do Autor)

      Obrigado Bruno!!

      Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield