Entrevista com Claudia Vilaça

Hoje trazemos uma entrevista exclusiva para o Primal Brasil, com uma mulher que é, acima de tudo, um exemplo de foco e determinação. Claudia Vilaça é advogada, escritora e atleta. Aos 50 anos, iniciou uma preparação para sua primeira competição de fisiculturismo – fitness. Tem um blog sensacional em que conta sua trajetória e para mim, é uma super inspiração também. Com uma alimentação rica em gorduras e com poucos carboidratos, atingiu os resultados que desejava em pouco tempo e continua trabalhando para atingir novas metas. Mostra também que idade só é um limite quando se quer, pois com o “combustível” e o estímulo certo, somos capazes de moldar nosso próprio corpo. Espero que gostem!

claudia-vilaca-20121201_153319

 

Como surgiu o interesse pelo fisiculturismo?

Pratico musculação há 5 anos. Comecei do zero absoluto, em janeiro de 2008, então com 45 anos. Foi por acaso: a idéia era acompanhar o meu filho mais velho, dar uma força para o garoto meio sedentário, fazer companhia.

Na academia vizinha à minha casa, fiz as séries de adaptação, os treinos A-A, depois A e B, e fui aos poucos aprendendo, lendo muito, eu pesquisava sobre treinos e dietas, fisiologia do exercício, praticamente um curso online, graças ao Google, ao Orkut (na época) e aos fóruns e livros de musculação nacionais e estrangeiros.

Depois de alguns meses de treino, notei que os professores não prestavam muita atenção aos alunos. Desliguei-me das fichas de treino “prontas” e passei a montar os meus treinos sozinha, treinava sozinha também.

Por conta própria, fui até agosto de 2012, quando comecei a treinar com um técnico.

Procurei um treinador porque eu havia me imposto uma meta, um desafio: atingir o nível de alta performance, tornar-me uma atleta de competição.

Eu queria me adequar ao padrão IFBB FIGURE – BODY FITNESS e competir na categoria Master (aqui no Brasil e no exterior, adoro viajar!).

Por que tomou a decisão de seguir uma dieta sem carboidratos? Quais os benefícios que você obteve com esta dieta, tanto em termos de saúde e forma física?

Outro acaso! Meses antes, eu havia eliminado o GLÚTEN e ALIMENTOS PROCESSADOS. A dieta consistia em proteínas magras – carnes, peito de frango e peixe branco, claras de ovos, inhame cozido, arroz integral e muita salada.

Durante uma viagem aos EUA, em abril/2012, não tinha como preparar meu inhame cozido no vapor, acabei ficando nos grelhados ou no atum em lata sem adição de sódio, este último quando não havia outra opção, além de salada, muitas folhas! Comprei óleo de coco virgem orgânico em uma loja de suplementos para atletas, tomava o óleo às colheradas entre um passeio e outro.

Nesta época, fiquei absolutamente seca, perdi 3 kg de gordura em poucos dias e me sentia cheia de disposição. Voltei para o Brasil e mantive a dieta LOW-CARB, bem PRIMITIVA mesmo, pois zerei todo e qualquer alimento processado, refinado, adoçado artificialmente, gorduras/óleos refinados e/ou hidrogenados.

Também não consumo laticínios (leite, iogurte, queijo, manteiga) nem frutas, mas me alimento com grande quantidade de vegetais, principalmente folhas verdes cruas, além de uma fonte de proteína em todas as refeições. O principal é a GORDURA; então minha dieta é LOW-CARB – HIGH-FAT (de baixo carboidrato e alta em gordura).

Passei a comer ovos inteiros (antes jogava fora as gemas) e peixes gordos, como salmão.

03-claudia-vilaca-guaruja-20121124_221832

 

Qual a popularidade da dieta low-carb entre os fisiculturistas?

Existem muitos livros e sites (estrangeiros, a maior parte) que tratam da adoção da dieta LOW-CARB e variações, como a dieta cetogênica cíclica ou com recargas periódicas de carboidratos, para fisiculturistas.

Pessoalmente, não conheço outro atleta em low-carb e percebo um forte preconceito contra a adoção do baixo carboidrato em um meio onde a maioria das pessoas parece ser movida a maltodextrina.

Há de tudo: da curiosidade às observações céticas, e mesmo reações furiosas de quem não consegue conceber a musculação e qualquer atividade esportiva sem carboidrato ou suplementos industrializados – ainda mais quando se trata de um atleta de competição.

Conte para nós como é sua alimentação em um dia normal? O que come em cada refeição?

A minha alimentação é muito simples, cada refeição se compõe de uma porção de GORDURA (80%) e uma porção de PROTEÍNA + folhas/vegetais (20%).

Fontes de PROTEÍNA: carne de vaca, frango, carne de porco (raramente), peixes, ovos inteiros.

Fontes de GORDURA: azeite de oliva e óleo de coco virgem orgânico, além das gorduras da gema de ovo e de peixes como salmão.

Fontes de CARBOIDRATO: restritas a folhas cruas (escarola, rúcula, agrião, salsinha, qualquer mato, eu adoro!) e pequena quantidade de vegetais, como brócolis, couve-flor, pepino, alho, aipo.

Observei a importância de manter alta a proporção de gorduras na dieta e não consumir proteína em excesso.

Costumo preparar em casa as minhas refeições; em restaurantes ou em viagens, escolho sempre um grelhado – carne, peixe ou frango – e saladas, não tem erro, é o tipo de comida fácil de encontrar.

claudia-vilaca-20121117_185304

Quantas vezes treina por semana e quantas horas por dia?

Treino MUSCULAÇÃO em alta intensidade cinco vezes por semana, em sessões de 1 hora por dia, e faço AERÓBICOS cerca de três vezes por semana em épocas de hipertrofia, durante 30 – 40 minutos. Quando se aproxima o campeonato e é hora de perder gordura, aumento os aeróbicos.

 Que dicas você daria para pessoas que querem atingir melhor forma física, definição muscular e perda de gordura?

Diria que é muito importante a orientação de um bom profissional, seja um professor de Educação Física ou um nutricionista, mas que NADA SUBSTITUI O AUTO-CONHECIMENTO.

Também estudar, informar-se a respeito de técnicas e variações de treinamentos e dietas, ler a imensa oferta de excelente material disponível na internet, gratuitamente, em sites, blogs, ebooks…

Além disso, OBSERVAR-SE e perder o medo de experimentar coisas diferentes no esporte e/ou na alimentação.

Encontrar a “nossa” dieta perfeita – aquela que não tem prazo nem limites de quilos a perder ou a ganhar, mas que se pode adotar para sempre, que signifique NUTRIÇÃO para o nosso corpo, boa saúde e disposição -, ou seja, uma dieta que se torne o nosso ESTILO DE VIDA é uma experiência libertadora.

Eu me encontrei no LOW-CARB – HIGH-FAT e é com esta dieta que, perto dos 51 anos, estou atingindo a minha melhor forma física, aumentando massa muscular, perdendo gordura, ganhando saúde e muita energia.

CLAUDIA VILAÇA

Blog CLAUDIA V.50 – CLAUDIA VILAÇA

http://claudiafitblog.blogspot.com.br/

 

claudia-vilaca-1-20121201-150240

 

Obrigada pela entrevista, Cláudia! Adoramos!

 

 

 

10 Comentários

  1. Maria Rogado

    MUSA!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
    1. ubiratan rosendo

      E muito gostosa ,por sinal

      Responder
  2. Claudia Régis

    Valeu a determinação da minha chará, mas acredito ser uma dieta bem específica para fisioculturismo.

    Responder
    1. Bruna Machado (Publicações do Autor)

      Oi Claudia querida!

      Quanto tempo que não a vejo por aqui! Na verdade, esta dieta já é seguida por milhares de pessoas que obtém benefícios extraordinários! A decisão quanto a restrição de carboidratos a menos de 30g por dia é pessoal e para muitas pessoas é uma dieta que pode ser seguida a longo prazo. Já outras pessoas se beneficiam com o consumo de carboidrato um pouco maior, entre 50g a 150g, mas Entrando em estado de cetose com certa freqüência para obter seus benefícios. Seja por meio de jejum intermitente ou pela simples restrição de carboidratos.

      Beijos e volte sempre!

      Responder
      1. Claudia Vilaça

        Claudia, faço minhas as palavras da Bruna!

        O PRIMAL BRASIL, inclusive, fala exatamente sobre isso no artigo mais recente: http://primalbrasil.com.br/deveriamos-tomar-o-cafe-da-manha/

        O meu estilo de vida é uma dieta de baixo carboidrato (apenas folhas cruas), cetogênica, em que se objetiva o uso da gordura como fonte de energia.

        Não basta apenas restringir os carboidratos, muitos outros fatores influenciam o estado de cetose, por exemplo, a quantidade de proteínas, a frequência das refeições, a ingestão de cafeína e adoçantes artificiais.

        Venha me visitar no blog!

        Claudia Vilaça
        http://claudiafitblog.blogspot.com.br/

        Responder
  3. Carla

    Cláudia! Vc é linda, um exemplo de determinação. bjs

    Responder
  4. Teco Mendes

    Adorei a reportagem e parabéns a atleta!

    Responder
  5. Claudia Vilaça

    Agradeço ao PRIMAL BRASIL e a você, que nos deu o prazer da sua visita e leitura.

    Convido a todos para virem conhecer o blog CLAUDIA V.50 – CLAUDIA VILAÇA, onde o assunto é saúde, boa forma, dieta PALEO – LOW-CARB e ainda a minha aventura de, aos 50 anos, participar pela primeira vez de uma competição de fisiculturismo.

    Espero por você!

    CLAUDIA VILAÇA
    http://claudiafitblog.blogspot.com.br/

    Responder
  6. dheime

    musa……………sempre

    Responder
  7. yara feitosa da silva

    Esta sendo muito bom conhecer esta forma de se alimentar,mas estou com algumas duvidas estou com esteatose hepatica grau 2 e fico com receio de ingerir gordura pois o medico proibiu de ingeri-las e tb. hipotireoidismo quero eliminar 15 quilos mesmo assim comecei a dieta a uma semana,estou com dificuldade em ingerir 80 por cento de carne tirei o arroz e feijão durante a semana so comi uma vez na semana gostaria de adotar esta dieta de forma mas continua tornando um estilo de vida em fim ,se possivel me fala sobre a hesteatose bj.

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield