Dinka: Gigantes do Sudão

O povo Dinka é um grupo étnico que habita a região da bacia do Nilo, e outras partes do Sudão. Eles contam com a criação de gado em campos durante a estação seca e com o crescimento de milhetos em acampamentos fixos durante a estação chuvosa. A população dos Dinkas é a maior tribo étnica no sul do Sudão. Atinge o número de 4,5 milhões de pessoas, de acordo com dados do governo do Sudão de 2008, representando cerca de 18% da população do país.

Este é um povo que vive debaixo do sol, por isso possuem um tom de pele notavelmente escuro. Alguns exploradores chegaram a considerá-los como sendo a população mais escura da África.

A população dos Dinkas do Sul do Sudão é considerada um dos povos pastoriais neolíticos mais distintos da África, devido à sua cultura exótica, alimentação e estilo de vida, sua beleza natural exuberante, sua relação muito próxima e harmoniosa com os animais e por ser considerada a população mais alta do mundo.

Mas essa forma harmoniosa de vida foi afetada por duas décadas de guerra civil entre o norte islâmico e os cristãos do sul, que acometeu o país até recentemente, sendo encerrada com o tratado de paz de 2005. Muitos deles morreram durante o período, enquanto muitos outros foram deslocados para outras regiões. Apesar da guerra e toda tragédia, a cultura dos Dinkas sobreviveu e eles continuam a habitar com seus gados boa parte do Sudão.

Os Dinkas cobrem seus corpos e rostos com cinzas, para se protegerem da malária e de insetos perigosos e também porque enxergam as cinzas como uma beleza natural. Quando as cinzas são removidas de seus corpos é possível notar a característica extremamente negra de suas peles.

Eles vivem em perfeita harmonia com seus animais, os quais consideram possuírem ligação direta com Deus. Crianças vivem ao redor do gado usufruindo do alimento proporcionado por eles e sua companhia. Notavelmente o gado tem um papel central na vida deles, muitas vezes, ao longo do ano, eles se alojam com seus gados em acampamentos nos quais podem somar milhares de bois.

povo-dinka-mozmaniacos+11

O gado vive livre, pastando e a população Dinka formou um vínculo único com estes animais, que eles acreditam fornecer uma conexão com seu mundo espiritual. Na puberdade, cada homem recebe um boi de presente da sua família, que ele deve cuidar por toda a sua vida. São muito devotos e dependentes dos animais para fornecer alimentos, sendo que eles obviamente representam o principal sustento da economia local. Por isso, normalmente o gado é considerado uma forma de moeda de troca. Quanto mais gado uma família possuir, mais rica será e maior a probabilidade de um homem conseguir uma esposa desejada, de acordo com a quantidade de gado que oferecer à família dela. Muitas famílias possuem dezenas de bois para oferecerem à esposa.

Supostamente devido à sua alimentação rica em alimentos de fonte animal, sendo os laticínios in natura o alimento principal e seu estilo de vida ativo, que possibilita a caminhada de quilômetros de distância diariamente na savana africana, os Dinkas são extremamente altos e fortes, sendo que muitos passam dos 2 metros de altura, o que levou a serem chamados por exploradores como gigantes amigáveis ou fantasmagóricos.

Durante a estação seca eles caminham com seu rebanho à procura de pastos ao longo do rio Nilo, vivendo de laticínios, do sangue do gado e usufruindo da vasta diversidade de peixes do Nilo, assim com outros animais como carne de hipopótamos e lagartos.

Festival de pesca dos Dinkas realizado anualmente

finshing dinka

Além dos alimentos descritos acima, os Dinkas também se subsidiam de milheiro que faz parte de sua dieta, portanto ela pode ser considerada uma população agricultora, assim como pastoral.

Crianças aprendem desde cedo a viverem em harmonia com os animais

01Dinka

Gigantes do Sudão
dinka jumping


dinkaherders_1_

A população dos Dinka foi estudada pelo famoso dentista Weston Price e foram relatadas em seu livro publicado em 1939 “Nutrition and Physical Degeneration” Nutrição e degradação física, um livro que relata uma série de estudos nutricionais etnográficos conduzidos por Weston Price em diversas culturas ao redor do globo.

Price conduziu uma avaliação dentária em diversos indivíduos da tribo dos Dinkas, que revelou que apenas 0.2% dos dentes examinados possuíam cáries. Um padrão muito baixo, comum em muitas sociedades primitivas caçadoras e coletoras estudadas.

Price notou a exuberância física de seus membros e descobriu que doenças típicas acometidas pelo homem moderno não estavam presentes nas populações estudadas, como doenças cardiovasculares, asma, doenças degenerativas como tuberculose e câncer, cáries, problemas dentários, etc. Também relatou detalhadamente em seu livro a formação dentária, mandíbulas e estrutura facial das populações primitivas estudadas, sendo que a população Dinka apresentou uma saúde dentária, estrutura óssea, altura e vigor físico superior a populações predominantemente agricultoras, supostamente devido a abundância de alimentos disponíveis, principalmente alimentos de origem animal.

Price também relatou em seus estudos os danos que visivelmente afetaram a saúde e o desenvolvimento físico de populações em apenas uma geração após a introdução de alimentos “ocidentais” em suas dietas como farinha de trigo, açúcar, óleos vegetais refinados, etc. Cáries artrite, sobrepeso, má formação óssea, entre outros males, se tornaram freqüentes.

Para quem quiser conhecer mais sobre a história e a cultura da tribo dos Dinkas assista este vídeo super interessante apresentado pela National Geographic pelas autoras do livro: Dinka: The Legendary Cattle Keepers of Sudan  escrito por Angela Fisher e Carol, pesquisadoras que passaram muitos anos de suas vidas pesquisando diversas tribos da África.

Vídeo da National Geographic:

http://www.youtube.com/watch?v=erNAdYoqaFo

Esta cultura única possui uma riqueza de conhecimento que deveria ser celebrada, compartilhada e honrada. É nossa paixão documentar e criar um poderoso álbum visual destes meios de vida que estão sendo cada vez mais extintos para as gerações futuras”. – Angela e Carol

 

Referências:

http://frankpicturesgallery.com/artists/beckwith_fisher/beckwithfisher.html

http://www.independent.co.uk/arts-entertainment/art/features/portfolio-sudans-dinka-tribe-2267876.html

Youtube: National Geographic Live! : Dinka: Legendary Cattle-Keepers of Sudan

http://www.arcspace.com/bookcase/dinka-legendary-cattle-keepers-of-sudan/

 

1 Comentário

  1. J Tyler

    É sempre bom ler este tipo de estudos sobre culturas
    que não tiveram influencia da nossa sociedade industrial.

    E é triste hoje em dia milhoes de pais e maes colocando pra
    dentro de suas crianças doces, fastfoods, farinhas, pães,
    toddynhos e todo tipo de alimentam vendido como saudavel.

    Nem falo sobre os oleos, que só de pensar me dá aquele nojo
    de arrepiar… mas passo a passo vou tirando tudo que venenoso
    que exista ( oleo de coco presente nas refeições ).

    Enfim, cada dia mais e mais uma alimentação basica com os aliemntos
    fundamentais e que fique bem longe de qualquer coisa da era
    moderna me mostra que estou no caminho certo pra ter a maximo saude
    que meu corpo possa me dar.

    Tomara que cada dia mais e mais pessoas comprem a ideia do
    Paleo/Primal e deem uma chance de apenas 21 dias para ver o quanto
    a saude deles mudaria pra melhor absurdamente.

    Ate mais,
    J Tyler

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield