As 11 maiores mentiras da nutrição

Este artigo é uma tradução livre de “Top 11 Biggest Lies of Mainstream Nutrition” publicado no site Authority Nutrition, escrito por Dr. Kris Gunnars.

Para saber sobre outros mitos da nutrição, CLIQUE AQUI.

Há muita desinformação circulando a nutrição na mídia. Eu listei os piores exemplos neste artigo, mas infelizmente esta é apenas a ponta do iceberg.

Aqui estão as 11 maiores mentiras, mitos e conceitos errados da nutrição.

1

1. Ovos não são saudáveis

Existe uma coisa em que a mídia tem muito sucesso em fazer.. e isso é demonizar alimentos incrivelmente saudáveis.

O pior exemplo disso são os ovos, que contém uma grande quantidade de colesterol e por isso foram considerados culpados por aumentar o risco de doenças cardíacas.

Mas recentemente tem sido provado que o colesterol na dieta realmente não aumenta o colesterol sanguíneo. Na verdade, os ovos principalmente aumentam o “bom” colesterol e NÃO estão associados ao aumento do risco de doenças cardíacas. (1,2)

O ovo é um dos alimentos mais nutritivos do planeta. Ele é rico em vários tipos de nutrientes bem como antioxidantes que protegem os olhos. (3)

Para finalizar, apesar de serem um alimento “rico em gordura” , consumir ovos no café da manhã  é comprovadamente uma causa para a perda de peso comparado ao consumo de pães no café da manhã. (4,5)

Em resumo: os ovos não causam doenças cardíacas e estão entre os alimentos mais ricos em nutrientes no planeta. Ovos no café da manhã podem te ajudar a perder peso.

2. Gordura saturada é ruim para você

2Há algumas décadas foi decidido que a epidemia de doenças cardíacas foram causadas pelo alto consumo de gordura, principalmente gordura saturada.

Isto foi baseado em estudos altamente duvidosos e em decisões políticas que agora foram comprovadamente erradas.

Um sólido artigo publicado em 2010 examinou 21 estudos epidemiológicos com um total de 347.747 sujeitos. Os resultados: absolutamente nenhuma associação entre gordura saturada e doenças cardíacas. (6)

A ideia de que a gordura saturada aumenta o risco de doenças cardíacas foi uma teoria não comprovada que de alguma maneira, virou a sabedoria popular. (7)

Consumir gordura saturada aumenta a quantidade de colesterol HDL  (o “bom”) no sangue e modifica o LDL de pequenas partículas, muito densas (muito ruim) para partículas maiores , que são benignas. (8,9)

Carne, óleo de coco, queijo, manteiga… absolutamente não há nenhuma razão para ter medo destes alimentos.

Em resumo:  novos estudos tem provado que a gordura saturada  não causa doenças cardíacas. Alimentos naturais que são ricos em gordura saturada são bons para você.

3. Todo mundo deveria consumir grãos

A ideia de que os humanos deveriam basear suas dietas em grãos nunca fez sentido para mim.3

A revolução da agricultura aconteceu muito recentemente na história evolucionária humana e nossos genes não mudaram tanto.

Os grãos são muito baixos em nutrientes, se comparados a outros alimentos de verdade como os vegetais. Eles também são ricos em uma substância chamada ácido fítico que bloqueia os minerais essenciais no intestino e previne a sua absorção. (10)

O grão mais comum na dieta ocidental é, de longe, o trigo… e o trigo pode causar uma lista de problemas de saúde, dos menores aos mais sérios.

O trigo moderno contém uma grande quantidade de uma proteína chamada glúten, mas há evidencias que uma porção significativa da população possa ser sensível ao glúten. (11,12, 13)

Consumir glúten pode danificar a parede intestinal, causar dor, inchaço, inconsistência nas fezes e cansaço. (14, 15) O consumo de glúten também tem sido associado a esquizofrenia e ataxia cerebelosa, ambos distúrbios sérios no cérebro. (16, 17)

Em resumo: grãos são relativamente pobres em nutrientes se comparados a outros alimentos reais como vegetais. Os grãos com glúten em particular podem levar a uma variedade de problemas de saúde.

4. Consumir muita proteína é ruim para seus rins e ossos

4Uma dieta rica em proteína tem sido culpada por causar osteoporose e doenças nos rins.

É verdade que consumir proteína aumenta a excreção de cálcio dos ossos em curto prazo, mas estudos de longo prazo mostram que o efeito é oposto.

Em longo termo, a proteína tem uma associação forte com o aumento da saúde dos ossos e um menor risco de fraturas. (18, 19)

Adicionalmente, os estudos não mostram nenhuma associação entre altas quantidades de proteína e doenças nos rins em pessoas saudáveis. (20, 21)

Na verdade, dois dos maiores riscos para a falha nos rins são diabetes e pressão alta. Consumir uma dieta rica em proteína melhora os dois.  (22, 23)

Uma dieta rica em proteína deve ser considerada protetora contra osteoporose e falha dos rins.

Em resumo: consumir uma dieta rica em proteína está associado a melhor saúde dos ossos e menor risco de fraturas. Uma dieta alta em proteína também diminui a pressão sanguínea e melhora os sintomas da diabetes, que deveria diminuir os riscos de falha nos rins.

5. Alimentos com pouca gordura (low fat) são bons para você

5Você sabe o gosto dos alimentos normais quando toda a gordura é retirada deles?

Bem, tem gosto de papelão. Ninguém iria querer comê-los.

Os fabricantes de alimentos sabem disso e por isso, adicionam outras coisas para compensar a falta de gordura.

Geralmente são adoçantes… açúcar, xarope de milho rico em frutose ou adoçantes artificiais como aspartame.

Nós já trataremos do açúcar, mas eu gostaria de comentar que mesmo os adoçantes artificiais não tendo calorias, as evidências NÃO sugerem que eles são melhores para você do que o açúcar.

Na verdade, muitos estudos observacionais demonstram uma associação, consistente, altamente significante com diversas doenças como obesidade, síndrome metabólica, diabetes, doenças cardíacas, parto prematuro e depressão. (24, 25, 26)

Nestes produtos com pouca gordura, as gorduras naturais saudáveis estão sendo substituídas por substâncias que são extremamente nocivas.

Em resumo: alimentos com pouca gordura são normalmente produtos altamente processados cheios de açúcar, xarope de milho ou adoçantes artificiais. Eles são extremamente nocivos.

6. Você deveria consumir várias pequenas refeições ao longo do dia

A ideia que você deveria consumir várias pequenas refeições ao longo do dia com o objetivo de “manter o metabolismo alto” é um mito persistente que não faz nenhum sentido.6

É verdade que comer aumenta o metabolismo levemente, enquanto você está digerindo a refeição, mas é a quantidade total de comida que determina a energia usada, NÃO o número de refeições.

Isto realmente já foi testado e refutado diversas vezes. Estudos controlados onde um grupo consome diversas pequenas refeições e o outro consome a mesma quantidade de comida em menos refeições mostram que literalmente não há a menor diferença entre os dois.  (27, 28)

De fato, um estudo com homens obesos revelou que consumir 6 refeições por dia leva a menos sensação de saciedade, comparado a 3 refeições. (29)

Não somente comer tão frequentemente é praticamente inútil para a maioria das pessoas, pode ainda ser prejudicial.

Não é natural para o corpo humano estar constantemente alimentado. Na natureza, nós estávamos acostumados a fazer jejum de tempos em tempos e não comíamos com tanta frequência como comemos hoje.

Quando nós não comemos por um tempo, um processo celular chamado de autofagia limpa os produtos nocivos das nossas células. (30) Fazer jejum ou não comer de tempos em tempos é bom para você.

Diversos estudos observacionais mostram um aumento drástico no risco de câncer de cólon (4ª maior causa de mortes por câncer), com números tão altos como 90% de aumento naqueles que consumiam quatro refeições por dia, comparados com os que consumiam duas. (31, 32, 33)

Em resumo: não há evidências de que consumir muitas pequenas refeições ao longo do dia é melhor do que poucas refeições maiores. Não comer de tempos em tempos é bom para você. Aumentar a frequência das refeições está associado ao câncer de cólon.

7. Carboidratos deveriam ser sua maior fonte de calorias

7

A visão geral é que todo mundo deveria consumir uma dieta baixa em gorduras, com os carboidratos sendo de 50-60% das calorias.

Este tipo de dieta contém muitos grãos e açúcares, com quantidades bem pequenas de alimentos com gordura como carne e ovos.

Este tipo de dieta pode funcionar bem para algumas pessoas, especialmente para aqueles que são naturalmente magros.

Mas para aqueles que são obesos, tem síndrome metabólica ou diabetes, esta quantidade de carboidratos é muito perigosa.

Isso tem sido estudado extensamente. Uma dieta baixa em gorduras e rica em carboidratos tem sido comparada a uma dieta baixa e carboidratos, rica em gordura em vários estudos controlados e randomizados.

Os resultados estão consistentemente em favor de uma dieta baixa em carboidratos e rica em gorduras. (34, 35, 36)

Em resumo: uma dieta baixa em gordura, rica em carboidratos é uma falha miserável e tem sido provada repetidamente como muito inferior a uma dieta baixa em carboidratos, rica em gorduras.

8. Óleos vegetais e de sementes ricos em ômega 6 são bons para você

Gorduras poliinsaturadas são consideradas saudáveis porque alguns estudos mostram que eles diminuem o seu risco de doenças cardíacas.8

Mas há diversos tipos de gorduras poliinsaturadas e elas não são todas iguais.

Mais importante do que isso, nós temos ácidos graxos omega 3 e omega 6.

Omega 3 é anti-inflamatório e diminui o risco de muitas doenças relacionadas a inflamação.  (37) Os seres humanos na verdade precisam obter ômega 6 e ômega 3 em determinadas proporções. Se a proporção é muito maior em favor do ômega 6, pode causar problemas. (38)

De longe, a maior fonte de ômega 6 na dieta moderna são óleos vegetais e de sementes processados como óleo de soja, milho e óleo de girassol.

Ao longo da evolução, os humanos nunca tiveram acesso a tanta abundancia de gorduras ômega 6. Ela não é natural para o corpo humano.

As pesquisas que olham especificamente para o ácidos graxos ômega 6 ao invés de gorduras poliinsaturadas em geral mostram que eles na verdade aumentam o risco de doenças cardíacas. (39, 40)

Consuma seu ômega 3 e considere suplementar com óleo de peixe, mas evite os óleos industriais de vegetais e sementes.

Em resumo: os humanos precisam obter ômega 6 e ômega 3 em uma certa proporção. Excesso de ômega 6 de óleos industriais aumentam o seu risco de desenvolver doenças.

9. Dietas low carb são perigosas

9Eu pessoalmente acredito que as dietas low carb são uma cura em potencial para muitos dos problemas de saúde mais comuns nas nações ocidentais.

A dieta low fat divulgada ao redor do mundo é inútil contra muitas destas doenças. Ela simplesmente não funciona.

No entanto, dietas low carb (demonizadas por nutricionistas e a mídia) tem repetidamente se mostrado levar a resultados muito melhores.

Cada estudo randomizado e controlado sobre as dietas low carb mostram que:

  1. Reduzem a gordura corporal mais do que dietas baixas em gordura com restrição calórica, mesmo quando os sujeitos na dieta baixa em carboidratos podem comer à vontade. (41, 42)
  2. Diminuem a pressão sanguínea significantemente. (43, 44)
  3. Diminuem o açúcar no sangue e melhoram os sintomas da diabetes muito mais do que nas dietas baixas em gorduras.  (45, 46, 47, 48)
  4. Aumentam o colesterol (bom) HDL muito mais. (49, 50)
  5. Diminuem o triglicérides muito mas do que as dietas low-fat. (51, 52, 53)
  6. Mudam o padrão do colesterol LDL (ruim) de partículas pequenas e densas (muito ruins) para partículas maiores, que são benignas. (54, 55)
  7. As dietas low carb também são mais fáceis de serem mantidas, provavelmente porque elas não necessitam da restrição calórica e não fazem as pessoas sentirem fome. Mais pessoas nos grupos low carb conseguem ir até o fim dos estudos.  (56, 57)

Muitos dos profissionais de saúde que deveriam ter em mente a nossa melhor saúde tem audácia de dizer que estas dietas são perigosas, e continuam a empurrar seu dogma low fat cheio de falhas, que está machucando mais pessoas do que ajudando.

Em resumo: as dietas low carb são as mais saudáveis, mais fáceis e mais efetivas para a perda de peso e reversão da síndrome metabólica. É um fato científico.

10. Açúcar não é saudável porque contém calorias “vazias”

102

É comumente acreditado que o açúcar não faz bem a você porque contém calorias vazias.

É verdade, o açúcar tem muitas calorias sem nenhum nutriente essencial. Mas isto é apenas a ponta do iceberg.

O açúcar, primeiramente por causa do seu alto conteúdo de frutose, afeta o metabolismo de uma maneira que gera um rápido ganho de peso e desenvolvimento de doença metabólica.

A frutose é metabolizada pelo fígado e transformada em gordura, que é secretada no sangue como partículas de VLDL. Isso leva ao aumento do triglicérides e colesterol. (58, 59)

Isto também causa a resistência aos hormônios insulina e leptina, que é um degrau para a obesidade, síndrome metabólica e diabetes. (60, 61)

Isso é só pra citar alguns dos problemas. O açúcar causa uma resposta bioquímica nos humanos para que comam mais e engordem. É provavelmente o pior ingrediente da dieta ocidental moderna.

Em resumo: os efeitos nocivos do açúcar vão além das calorias vazias. O açúcar da vazão ao estrago no nosso metabolismo e gera aumento de peso e diversas doenças.

11. Alimentos ricos em gordura fazem você engordar

11Parece meio intuitivo que consumir gordura faça você engordar.

Esta coisa que está se juntando debaixo da nossa pele e nos fazendo parecer macios e fofos é a gordura. Então… comer gordura deveria dar aos nossos corpos mais dela.

Mas não é tão simples assim. Apesar de ter mais calorias por grama do que os carboidratos ou proteína, dietas ricas em gorduras não fazem as pessoas engordarem.

Como qualquer outra coisa, isto depende do contexto. Uma dieta que é rica em gorduras E rica em carboidratos faz você engordar, mas NÃO por causa da gordura. (62, 63, 64)

Na verdade, dietas que são ricas em gorduras (e baixas em carboidratos) causam maior perda de gordura do que dietas que são baixas em gordura.

12. Mais alguma coisa?

Esta é apenas a ponta do iceberg.

Sinta-se à vontade para adicionar mais pontos nos comentários!

Para saber sobre outros mitos da nutrição, CLIQUE AQUI.

Banner1

55 Comentários

  1. PaleoBrasil

    muito bom artigo.

    eu não sabia que açúcar refinado tinha frutose. interessante isso.

    continuem o bom trabalho, vcs vão longe! :-)

    Responder
    1. Bruna Machado (Publicações do Autor)

      Em torno de 50%, o resto é glicose! Muito obrigado! Abs

      Responder
      1. Marcio

        Não é bem isso. O açúcar refinado que consumimos vem da cana-de-açúcar e é praticamente sacarose pura, porém, ao sofrer digestão, a molécula de sacarose é convertida em uma de glicose e outra de frutose. Por isso, essa proporção de 50%.

        Responder
    2. Bruna Machado (Publicações do Autor)
  2. Teco Mendes

    Outro mito: Temos que beber pelo menos 2l de água por dia!

    Responder
    1. Patrícia

      Não precisamos beber água???

      Responder
      1. Bruna e Caio (Publicações do Autor)

        Sim, água é importante =)

        Responder
        1. Jan

          A água é vital para a nossa saúde ( porém tem que ser uma água realmente pura e não essa de torneira contaminada com flúor, cloro, metais pesados…) MAS dizer que TODOS necessitam de EXATAMENTE 2L é sim um mito pois acreditar que uma pessoa de 1,90 e cem quilos que tem uma vida sedentária precisa ingerir dois litros e uma pessoa de 1,60 e cinquenta quilos e tem uma atividade física regular também necessita dos mesmo 2 L é no mínimo uma grande irresponsabilidade.

          Responder
          1. Marcio

            Concordo. Nem sempre precisamos de 2 litros por dia. Depende do clima, da atividade física que fizemos naquele dia, etc.

  3. Breno Jacinto

    Olá,

    Muito bom este artigo. Gostaria de acrescentar algumas coisas:

    1) O consumo de grãos na forma integral, que é a forma usada p/ fazer massas, macarrão, etc… realmente acaba sendo pobre por causa do ácido fítico, que é um anti-nutriente. No entanto, o processo de germinação (em geral, deixá-lo de molho por, em média, 8h) retira o teor de ácido fítico e libera o potencial nutritivo do grão / semente. Então na verdade não está precisamente correto falar que o os grãos são pobres em nutrientes. Eles são riquíssimos, mas em potencial, é preciso despertá-lo antes de consumir e pouca gente sabe disso. E lembrando que o papel do ácido fítico é um mecanismo de proteção da semente / grão. Além disso, o teor de glúten é reduzido bastante também no processo de germinação (com o trigo, pode-se chegar até 80%). Boas referências do assunto são os livros: “Lugar de Médico é na Cozinha” e “Alimentação Desintoxicante”, respectivamente, do Dr. Alberto Peribanez e da Conceição Trucom.

    2) Falar que a dieta rica em proteínas é bom… isso é perigoso e muito controverso. Primeiro que o corpo não usa tanta proteína quanto se imagina, e se consumir em excesso, ou é expelido, ou vai virar gordura, concorda? Segundo, a fonte da proteína tem que ser levada em consideração. Consumir fontes como hoje é pregado pelos suplementos tem suas consequencias sim, especialmente p/ os rins e fígado. É só ver a quantidade de malhadores impacientes que vão parar no hospital por esses excessos. É tudo muito concentrado e processado. Dificilmente esses excessos ocorreriam se fosse uma fonte como peixe ou até outras carnes.

    3) Deve-se mencionar que o consumo de produtos industriais e com agrotóxicos tb não é lá uma grande pedida para a saúde. Em outros países já é padrão a cultura orgânica, mas no nosso país tá muito inicial. Eu acho que a diferença nutricional é enorme, assim como os benefícios p/ saúde.

    abraços

    Responder
    1. Caio Fleury

      Breno, obrigado pelo comentário muito pertinente.

      O processo de germinação junto com o aquecimento realmente retira o teor de exorfinas e antinutrientes, além de mudar o perfil de vitaminas e minerais. No entanto, como você disse, praticamente ninguém consome grãos desta maneira hoje em dia e não sabem que podem ser consumidos dessa maneira. Particularmente prefiro as oleaginosas “soaked” por 8 a 12 horas na água o que ajuda na digestão e diminui o conteúdo de ômega 6. Além de serem mais práticas e saciarem mais do que os grãos germinados.

      Como você disse o consumo de proteína em excesso é prejudicial ao fígado, mas acredito ser muito difícil de ser alcançado, talvez somente se a pessoa estiver seguindo uma dieta low-carb por muito tempo com medo de consumir gorduras e se obrigando a comer carnes magras. Não acredito ser natural comer muita proteína, mas como você disse a indústria de suplementos está tornando isso cada vez mais possível. O excesso de proteína além de intoxicação no fígado pode levar a “rabbit starvation”. É praticamente impossível alguém engordar comendo somente proteínas (naturais), com pouco carboidrato e gordura, pois as carnes magras ricas em proteínas são relativamente baixas em calorias (menos de 120 para cada 100g), de maneira que seria necessário comer mais de 2 kg de carnes magras para a maioria das pessoas engordarem. Elas provavelmente passariam mal antes de chegar nessa quantidade. As dietas ricas em proteína como a dieta do Dr. Dukan, demonstram essa perda de peso, por meio da supressão do apetite e do consumo de calorias.

      Volte sempre!! Abs

      Responder
      1. Luiz Fernando Gimenez

        Caio, já que você citou a dieta do Dr. Dukan, qual é a sua opinião sobre ela?

        Responder
    2. Juliana do Valle

      Só esclarecendo que o processo de germinação reduzi ácido fítico, reduz carboidratos dos grãos e aumenta o teor de proteína. Logo, conclui-se que o valor nutricional dos grãos germinados está justamente no baixo teor de carbos.

      Responder
      1. Bruna e Caio (Publicações do Autor)

        Ainda é muito pobre nutricionalmente… Embora não seja problemático para a saúde para quem tolera carboidratos.

        Responder
        1. Yuri

          Grãos ou Oleagnisoas germinados são ‘pobres nutrcionalmente’, alem de ”problematicos ” pra ”quem tolera carboidratos”?!

          Poderia me explicar isso?
          Tenho lido que graos e oleaginosas germinados tem alto teor de proteinas e vitaminas….
          Claro, praticamente não vejo citarem ”quanto” e isos temme incomodado e é algo que estou procurado mas parece ser muito pouco analisado por laboratorios..

          Responder
          1. Bruna e Caio (Publicações do Autor)

            Oleaginosas são ricas em nutrientes, germinadas ou não. Grãos disponíveis no super mercado não são! São pobres em proteína, pobres na qualidade da proteína e ricos em amido. Abs

  4. Andrea

    Na dieta low carb, tipo a Dieta Atkins, uma alimentação basicamente comendo todos os dias ovos, linguiça, carne, peixe, gelatina zero, etc tem como engordar??

    Responder
    1. Bruna Machado (Publicações do Autor)

      Andrea,

      Isto vai depender de inúmeros fatores como por exemplo: O peso atual da pessoa, quantidade de carboidratos consumidos, a quantidade total de calorias ingeridas,o comprometimento do sistema imunológico e do metabolismo da pessoa, genética, quantidade de toxinas, substâncias pró-oxidantes vs antioxidantes consumidas, consumo de ômega 3 vs ômega 6, vitaminas e minerais, perfil das gorduras consumidas e dos carboidratos consumidos, quantidade de adoçante consumido, quantidade de lingüiça, salsicha e carnes processadas vs peixes, ovos, carnes, frangos e manteiga orgânica. Quantidade de gorduras como óleo de coco, abacate e azeite extra virgem vs gorduras do amendoim e oleaginosas e óleo vegetal industrializado, o consumo alto de queijo, níveis de estresse, qualidade do sono, etc. O problema de muita gente que segue a dieta Atkins hoje em dia é que elas pensam que todos os alimentos com proteína e gordura são bons e todos os alimentos com carboidratos são iguais! Se vc seguir o padrão Atikins moderno, que já foi muito distorcido da proposta do Dr Atkins, adicionando muitos alimentos nocivos, vc pode emagrecer bastante se vc está acima do peso, mas vai chegar um determinado momento que vc não conseguirá mais emagrecer e para algumas pessoas ainda vão faltar uns bons quilos para chegar no peso almejado, já para outras pode não faltar muito. Se vc está querendo emagrecer mais e otimizar sua dieta leia este artigo: Como otimizar a dieta Primal.(http://primalbrasil.com.br/como-otimizar-a-perda-de-peso-com-a-dieta-primal-parte-1/)

      Obrigado Andrea, pelo seu comentário. Espero ter te ajudado e fique à vontade para comentar sempre!

      Responder
  5. Camila

    Muito cuidado com o que você lê por aí, já que realmente há muita desinformação.
    Este artigo por exemplo foi originalmente escrito por Kris Gunnars, um estudante de medicina, personal trainner e que passou anos lendo livros, blogs e pesquisas sobre saúde e nutrição, como ele mesmo se descreve em seu site. Ou seja, um leigo que leu muito. Acontece que como ele mesmo diz, há muito desinformação, inclusive em livros, blogs e até em pesquisas científicas, já que muitas vezes são patrocinadas por empresas ou associações que esperam um resultado que lhes favoreça.
    A Nutrição é uma ciência recente, e tão ampla que não é profundamente estudada num curso de graduação de Medicina, por isso a existência do profissional nutricionista.
    Por isso a melhor opção é sempre procurar um profissional, e não apenas a leitura. E caso queira ler alguma coisa, procure informações mais confiáveis, como da Organização Mundial da Saúde (OMS), Institute of Medicine (IOM) ou do próprio Ministério da Saúde do Brasil.

    Responder
    1. Haroldo

      Eu diria muito cuidado com a OMS, OM, MS, ANVISA etc. Essa última, na minha opinião, tem obrigado muitos produtores de alimentos a usarem produtos químicos na sua composição, com a justificativa de “conservar” os produtos (suspeito que seja para “conservar”, isto sim, os lucro dos fabricantes desses conservantes). Não se vê nada disso nos países europeus, por exemplo. A França, um país que consome muita gordura animal, nos seus queijos, presuntos, foie gras etc. não tem pessoas obesas e baixíssimo acidentes cardiovasculares. Isso porque, além das razões descritas nesse post, os franceses evitam os produtos industrializados, optando pelos naturais, como fazíamos há cinquenta anos, antes de surgirem os rótulos e os supermercados (estudo feito por um cientista norte americano, não lembro o nome). Tenho 61 anos, 1,82m, peso 60 kg e fui criado com banha de porco no preparo das refeições na casa dos meus pais. Sou descendente de espanhóis e portugueses e isso é comum na nossa dieta. O nosso vinho da Serra Gaúcha é contaminado por conservantes venenosos ausentes nos vinhos europeus. O mesmo acontece com os nossos queijos. Já tentaram acabar com o tradicional queijo de minas e, graças a Deus, não conseguiram. Acho muito suspeita essa postura da ANVISA, num País, que todos nós sabemos, que ainda não se preocupa muito com a saúde de seus cidadãos.

      Responder
    2. Mauricio NC

      Camila, você está educadamente desqualificando o autor do texto. Seria melhor que você apresentasse provas contrárias ao que está escrito e de preferência oriundas de pesquisas/estudos que não pagos pela indústria do açúcar e pelo “big pharma”. Só para ilustrar: tem um certo programa de tv veiculado numa grande rede que, sempre que pode, promove todo o tipo de gordura vegetal industrializada e condena as gorduras saudáveis. E tudo isto com o aval de nutricionistas – como você provavelmente é – e também de um conhecido endocrinologista que, apesar da vasta experiência que possui, não se furta a participar destes verdaediros ataques à saúde da maioria dos telespectadores. Na minha opinião, ele deveria ter o diploma cassado.

      Justamente por ser uma ciência recente a nutrição (e os nutricionistas) deveriam ser mais modestos e não sentir-se ameaçados por sites como este e tantos outros. Não seria a hora de parar para pensar e questionar se o que vocês aprendem na faculdade está realmente ajudando as pessoas a se nutrir com qualidade? Por que receitar exercícios de longa duração, pouca gordura e “oito porções de carboidrato por dia” se tudo isto têm pouco efeito em um emagrecimento duradouro? Será que todos os relatos publicados aqui são mentirosos? E eu, que perdi 16 kg em um ano justamente quando deixei de seguir estas orientações furadas, sou o que? Um louco? Pense, Camila, pense. Faz bem.

      Responder
      1. Clarice

        PARABÉNS! MAURICIO NC, por isso saio correndo destes nutricionistas.

        Responder
    3. Heraldo

      Camila,

      cuidado nós devemos ter é justamente com o que dizem OMS, Ministério da Saúde do Brasil, etc. Após 50 anos de alimentação seguindo os preceitos dessas organizações, me vi com síndrome metabólica e frente a um médico me receitando estatinas contra o colesterol, drogas contra a pressão alta, etc. Depois de seis meses de alimentação primal, há mais de dois anos não tenho mais nenhum desses indicadores negativos em meu hemograma, sem tomar nenhuma dessas drogas.

      Responder
    4. Paula

      Vergonha alheia pelo comentário da Camila! Sem comentários..

      Responder
    5. Luis Miguel

      A mesma OMS IOM que permitiam isso http://g1.globo.com/Noticias/PopArte/0,,MUL791381-7084,00-EXPOSICAO+REUNE+PROPAGANDAS+ANTIGAS+SOBRE+OS+BENEFICIOS+DO+CIGARRO.html ou a que manda comer carboidratos vazios (açúcar) como base da alimentação? A mesma que ensinou que ovo faz mal pra saúde? Que usou um estudo tendencioso que retirava 20 países para poder “provar” que gordura causa problemas cardíacos? Esta mesmo?

      Responder
    6. Iceman

      Um leigo que leu muito?!?!?!?!!?!?!?
      Mas se ele leu muito, estudou e aprendeu, não deixou de ser leigo?
      Aliás, o que se faz nas faculdades não é justamente isso? Ler muito, estudar e aprender?
      Ou está querendo dizer que a opinião dele não conta só porque não tem formação específica na área?

      Carteirada agora é certificado de conhecimento? Ainda mais com o perfil típico do universitário brasileiro, que passa mais tempo no barzinho em frente da faculdade do que com um livro na mão?
      Pois por tudo que tenho visto nos instrutores de academia, nutricionistas e até médicos, prefiro confiar no leigo que lê muito do que no formado que não lê nada ou que fica propagando meias verdades.

      E dou exemplos: todo mundo me encheu o saco por conta da minha dieta low carb e paleo. Fiz checkup esses dias e meus resultados foram muito, muito bons. LDL baixo, HDL alto, colesterol baixo, glicemia baixa etc., etc., etc.
      Minha esposa quer ganhar massa magra, na minha leiguice prescrevi uma dieta low carb para ela e ela definiu e estava crescendo, mas não gostou da dieta e foi procurar um nutricionista. Resultado: com a dieta do nutricionista, ela perdeu massa magra e engordou.

      Responder
      1. Bruna e Caio (Publicações do Autor)

        Gostei da resposta Iceman!!kkk Abraços e muito obrigado pela dedicação! Aqui no Primal Brasil nos dedicamos MUITO em investigar a literatura e explicar de maneira simples para o público! =)

        Responder
  6. Priscila

    Por que diz isso, Camila?
    Aposto que estuda ou se formou em Nutricao!!

    Responder
  7. elioenai

    Muito obrigada, pelas informações.
    Bem verdade o que se disse nos comentarios sobre as manipulações e mentiras das grandes redes de comunicação mundiais das escolas de formação academicas de nutrição, etc; sobre as distorções alimentares,, tudo para manter a industria do fast food, assim como a industria da medicina.
    Temos ai a monsanto, a bungue, e a cargil e tantos outros , monstros antivida natural que patrocinam estas formações.
    Creio ser de suma importância tomarmos consciência de consumo orgânicos, este país tem tudo para produzir para consumo interno e para exportação.
    Grata,
    Elioenai

    Responder
  8. Monica March

    Olá, Caio/Bruna!

    Gostaria de saber se existe referência pra o uso de adoçante de stevia como sendo aceitável na dieta primal/paleo. Estou mudando minha alimentação e hábitos para que se encaixem cada vez mais na dieta, mas tenho essa dúvida, já que é sabido que os adoçantes não são aceitos.

    Espero logo, logo, poder enviar minha história de sucesso a vocês.

    Abs,
    Monica.

    Responder
    1. Bruna Machado (Publicações do Autor)

      Oi Monica!

      A Stevia é um adoçante natural e particularmente diferente em seus efeitos no organismo. Os estudos recentes indicam que a stevia aumenta a sensibilidade à insulina, ajuda no controle da glicose após as refeições e não aumenta o apetite. No entanto, fique atenta aos adoçantes de stevia, que muitas vezes contém diversas outras substâncias e não a stevia pura. Se você conseguir encontrar a stevia em pó pura, seria a melhor opção. Veja este ótimo post do Dr. Souto sobre adoçantes e suas composições http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/adocantes-e-rotulos.html

      Particularmente, não consumo nenhum tipo de adoçante e quando sinto necessidade de adoçar algo, uso mel, com moderação. O mel é um açúcar e evidentemente engorda se consumido em excesso, mas é um alimento natural rico em vitaminas e minerais, por isso, é minha primeira opção neste sentido.

      Abraços!

      Responder
      1. Heraldo

        Sim, muita atenção quanto a isso. São pouquíssimos os produtos no mercado que contém Stevia pura em sua composição. Muitos nos levam a crer, pela propaganda ou pela embalagem, que são feitos com Stevia mas são na verdade uma mistura de vários tipos de adoçantes (a maioria, claro, mais baratos que a Stevia).

        Responder
      2. Anderson Cardoso

        Olá, eu consumo Linea em pó, mas no blog do Dr. Souto ele não deixa
        muito claro se o uso é prejudicial ou não, perguntei a ele e o mesmo diz
        que adoçante é só para fazer transição do açúcar.

        E vocês usam já usaram Linea??

        Abçs.

        Responder
    2. Bruna Machado (Publicações do Autor)

      Pode enviar já Monica. Abs

      Responder
  9. Eu da Silva

    Glúten! E o que tem de vegano, na sua ânsia em conseguir obter qualquer proteína ignorando as altamente saborosas e biodisponíveis da carne, consumindo essa merda pura em forma dos mais variados pratos imitando bife… Junto com a falta de B12, isso deve explicar porque muitos deles são tão raivosos e parecem um tanto desconexos em suas argumentações, beirando ao fanatismo total e demência mesmo.

    Responder
    1. Iceman

      Fanatismo acho que seria a palavra ideal.
      A vida do vegano é uma mentira. TODOS eles apresentam carências de vitaminas e minerais e os que não apresentam é porque suplementam essas vitaminas e minerais através de fontes sintéticas.
      Dizem que não usam produtos e origem animal e esquecem que até as cápsulas que revestem os suplementos nutricionais que ingerem são de origem animal.

      Quando você apresenta evidências reais, como o caso do bebê que morreu de carência de vit. B12 porque a mãe era vegana, saem pela tangente e ficam sempre e sempre com aquele discurso manjado a respeito de maus tratos aos animais que são criados para abate, o consumo de água e a poluição causada pela criação de animais de corte.

      Mas, convenientemente, esquecem da poluição, consumo de água, consumo de combustíveis fósseis, uso de agrotóxico, poluição de mananciais pelos venenos empregados na lavoura e demais problemas que a agricultura também ocasiona. Além, é claro, do fato incontestável de que uma alimentação vegana faz mal para a saúde.

      Responder
  10. Bandeira

    Bem, eu me baseio necessariamente em minhas próprias experiências e na concepção de que cada corpo reage de forma diferente.

    Tenho 33 anos e sempre fui magricela. Depois que engordei um pouco, sempre tive uma barriguinha meio chata. E ela nunca acabou! Fiz natação, musculação, pratico ciclismo, corrida, etc…

    Qual era o problema? Alimentação. Comecei a dieta paleolítica, porém não mega radical. Fujo dela em 2 ou 3 refeições por semana, quando como um pão quando tomo sopo ou um sorvete quando está calor.

    Resultado: melhor forma que já tive em 33 anos de vida. As meninas elogiam, mamãe disse que ‘nossa, você está sem barriga’ e é complicado eles acreditarem que como ovo, bacon, hamburguer (que eu faço), linguiça, carne, picanha com gordura, cupim, carne de porco, banha de porco…

    Você tentou muitas coisas e nada resolveu? Tentar esse estilo de vida por 2 ou 3 meses não vai te matar.

    Então tente.

    Responder
    1. Carlos

      Que cisma é essa das mulheres não quererem ter uma barriguinha…

      Responder
  11. Savio Cordeiro

    O artigo é interessante. Deve-se observar também que quando se pensa em alimentação ancorado nos limites das ciências modernas que, no caso da nutrição, percebe o organismo humano como uma máquina e a alimentação como insumos e combustíveis, desconsideram componentes ambientais, sociais, fase e estilo de vida, além de características genéticas individuais que devem ser especificadas quando se trata de dieta.

    Responder
  12. Valéria

    Que bom, que mencionaram acima que ha um programa sobre “ëstar bem e saudável” na televisão, que vem apregoando mentiras, porque pensei que estava louca, pois outro dia não fizeram um programa todinho, só sobre os “benefícios”das diversas farinhas? milho, mandioca etc?
    Com certeza patrocinado pelas indústrias que já começam a sentir a queda nas vendas de seus venenos, graças aos efeitos reais que a alimentaçao primal/paleo, dá a seus seguidores com muita rapidez, o que faz com que a verdade seja divulgada pelo, boca a boca com a credibilidade do efeito visível!

    Responder
  13. Janiffer Alves

    Polêmico…contradiz quase tudo.

    Responder
  14. Fernanda

    Estou ha quase um mês fazendo a dieta Low-carb e ja obtive bons resultados,com relação ao peso emagreci pouco mais de dois quilos e a disposição para fazer as atividades mudaram consideravelmente, estou muito feliz.

    Responder
  15. Pedro

    Olá a todos,alguma opinião sobre a nutrição patricada pela Herbalife? obrigado

    Responder
    1. Iceman

      Resumindo em uma palavra: Lixo.

      Pesquise sobre como o câncer de fígado está associado com tais produtos.

      Responder
    2. Érika

      Herbalixo?!
      Fuja!

      Responder
  16. Djulye Marquato

    Simplesmente sensacional! É exatamente o que uma pessoa leiga (e até alguns profissionais) precisa aprender sobre nutrição e falsa nutrição. E o melhor são essas publicações ricas em referências de qualidade. Abraços

    Responder
  17. adriana

    Boa noite estou achando interessante este site e bem diferente,já estava mudando minha alimentação de acordo com os videos que assisti do gênio drº Lair Ribeiro.

    Responder
  18. Fernanda

    Adoro os textos do Caio e Bruna, por favor continuem esse trabalho maravilhoso que vcs fazem. Informação é o que todos precisam.

    Responder
  19. Débora Gabriela

    Por favor, se possível me manda os artigos usados como referencias para esse texto. Não achei em canto nenhum!

    Responder
    1. Bruna e Caio (Publicações do Autor)

      Estão TODOS no corpo do email, é só procurar! Abs

      Responder
  20. Fatten

    Tenho lido bastante sobre glúten e vejo muitos artigos defendendo que é prejudicial somente aos que possuem algum tipo de intolerância, assim como também já li artigos com estudos falando dos malefícios.
    Gostaria da ajuda de vocês com indicações de artigos científicos confiáveis para me aprofundar sobre a questão e tentar chegar num consenso. Muito confusa a respeito.
    Desde já parabenizo os autores do site, sempre trazendo informações confiáveis e linguagem acessível.

    Responder
    1. Bruna e Caio (Publicações do Autor)

      Para algum porcentual pequeno de pessoas o problema é o glúten. Mas para a maioria das pessoas, o excesso de carboidratos refinados da farinha de trigo e outras fontes. Obrigado, Abs

      Responder
  21. isac

    A insulina no sistema é o código para acumular gorduras, sem insulina sem gordura.

    O pâncreas endócrino só libera insulina no sangue na presença de açúcar, evite a ingesta de açúcar e carboidrato, e pode comer gordura saldável à vontade.

    Quer ser saldável? consuma sais minerais. Todos

    Responder
  22. Rogério

    Sempre tive problema com o peso, mas nunca quis emagrecer. Procurei uma nutricionista por recomendação do meu cardiologista. Ela me passou uma dieta com pouquíssima ingestão de carboidratos e focada em vegetais/frutas e carnes magras. Seguindo as recomendações dela, emagreci 10kg no primeiro mês. Sei que essa perda grande enorme de peso é somente no início. Mas estou entusiasmado por que ao que parece encontrei uma boa nutricionista.
    O que me impressiona é a saciedade que os vegetais e carnes magras me proporcionam, tanto que já não sinto mais aquela vontade de sair comendo arroz e feijão ou pão.
    O que realmente me faz falta são as cervejadas homéricas. :(
    Tenho gostado muito dos posts que li até agora, obrigado.

    Responder
  23. Emerson dos Santos

    Olá Bruna e Caio. Muito bom seus Posts . Tive lendo alguns naturoterapeuta e devido a nutrição ocidental (pois na linguagem Quântica Alimento é INFORMAÇÃO)muitas pessoas irão falecer de males de cardiovascular e canceres. Que o sistema é acidose,e que o PH do organismo humano esta sendo poluído pelo: Ar, liquido e pelos sólidos. Sabendo que existe outras energia planas como a luz. O jejum é fundamental para reajustar nosso organismo e também para o conhecimento espiritual. Consegui no máximo ficar 4 dias só tomando água,mas ano que entra vou fazer de 1 semana. A meditação e a oração é fundamental para melhora na oxigenação dos pulmões e na amplitude no sangue. Gostei de seus conhecimento e pesquisa continue colocando coisas boas.Fortes abraços

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield