A dieta paleolítica saiu na mídia

Saiu na revista, logo virou realidade. Está é a percepção que eu tive como resultado dos diversos comentários e curtidas na página do facebook do primalbrasil. Aparentemente, a comunidade paleo/low-carb do Brasil estava ansiosa para que um dia a mídia abordasse este assunto que nunca havia sido tratado pela mesma de maneira um pouco mais abrangente, até então.

capa revist época

Para pessoas que não estão familiarizadas com o conceito da dieta e da ciência da nutrição, isto não passa de uma dieta da moda e, portanto, logo desaparecerá. Para quem conhece e segue a dieta sabe que essencialmente não se trata de nada além da promoção do consumo de alimentos de verdade, os quais foram consumidos pelo ser humano ao longo de pelo menos centenas de milhares anos da nossa história como espécie.

Não se trata de uma dieta da moda, pelo menos isto não é o que as populações primitivas e os seguidores da dieta pensam sobre o assunto. Consiste em simplesmente consumir comida de verdade, correto? Não nos interessa consumir alimentos processados, ricos em açúcar, farinha e óleos de sementes processadas e também não nos convém consumir comida de galinhas ou de cobaias (grãos), mas sim alimentos similares aos que estavam presentes no ambiente natural em que o homem habitou, o qual moldou os nossos genes até os dias de hoje, portanto, mais próprios para o consumo humano. Tão pouco consiste em comer “carne, muita carne” como o tom sensacionalista da capa da revista sugere, mas sim o suficiente.

Não se trata da dieta dos homens cavernas, pois o Homo sapiens habitou as cavernas durante apenas um período da evolução, mas sim de consumir animais criados ao ar livre, ovos, oleaginosas, vegetais, tubérculos pobres em amido, frutos e alguns laticínios. Também não se trata de uma dieta restrita, como muitos pensam, já que nossos ancestrais com sua natureza oportunista, consumiam praticamente tudo que se encontrava eu seu ambiente natural que não fosse tóxico ao organismo, ou seja: diversas espécies de mamíferos, aves, ovos, répteis, animais aquáticos, invertebrados, insetos, já no reino vegetal havia diversas espécies de vegetais, oleaginosas, frutos, sementes, coco e tubérculos com pouco amido, literalmente milhares de espécies de alimentos foram consumidos ao longo da história do ser humano como espécie ao longo do período paleolítico. Minha pergunta para quem afirma ser uma dieta restritiva é: Por que ela é restritiva?

Veja gordura capa

 Na realidade, creio que as dietas típicas americana e brasileira possam ser muito mais restritivas que uma dieta que segue um modelo alimentar paleolítico. Consumir farinha de trigo, açúcar e óleos processados na padaria e no supermercado em suas 700 formas diferentes não é restritivo? A realidade é que mais de 90% dos alimentos disponíveis nas padarias e a maioria nos supermercados, hoje em dia, são preparados com estes ingredientes. Esta restrição de alimentos e nutrientes consumidos nas sociedades modernas é o fato preocupante na realidade, pois esta é a receita para a obesidade, diabetes, síndrome metabólica e o surgimento de tumores que são responsáveis pela morte de milhões de brasileiros e não os alimentos de verdade, consumidos por nossos ancestrais.

Realmente, não havia abundância de carboidratos o ano todo, muito menos carboidratos refinados, como os vendidos hoje em dia nas lojas de alimentos “naturais”, nem mesmo grãos e leguminosas que eram raramente consumidos por nossos ancestrais, porque são repletos de compostos tóxicos que apenas algumas espécies de animais conseguem utilizar o próprio organismo para digerir e neutralizar estes compostos tóxicos. Porém, é este regime alimentar que proporcionou a saúde robusta e o vigor físico dos nossos ancestrais, que criou indivíduos completamente saudáveis, livres dos males acometidos pelo homem moderno, síndrome metabólica, diabetes, doenças cardíacas e até mesmo o câncer, que são extremamente raros em sociedades primitivas, como os estudos indicam.

A pergunta que todos nós devemos nos fazer diariamente é: Vivermos doentes consumindo uma dieta excessivamente rica em carboidratos na forma das 700 variedades de grãos e alimentos processados citados acima, derivados do mesmo ingrediente, ou consumir um arsenal de alimentos saudáveis que estamos adaptados a consumir como espécie?

Com uma visão cética e mais criteriosa, aproveitem esta matéria que foi capa da revista Época, que infelizmente arrasou os corações de diversos profissionais de saúde que não compreendem a dieta e o rigor científico que a suporta. Creio ser mais um passo positivo em direção a uma maior popularidade da dieta no Brasil e isso possui um potencial para melhorar muitas vidas. Parabéns a revista época e a todos que participaram da matéria. Divirtam-se!

indios brasileiros

1 Comentário

  1. Claudia

    Bruna! Concordo com tudo o que você falou! E sou prova viva disto.
    Passei muito tempo, com problema de pele, coceiras, constipação, compulsão e cheguei até a procurar um psicologo achando que era minha ansiedade que fazia eu querer comer o tempo inteiro.
    Mas depois de ler o livro Barriga de Trigo e tomar conhecimento da dieta Paleo/Primal pelo blog do Dr Souto, o Primal e outros resolvi mergulhar nessa experiencia e hoje posso afirmar que não volto mais! Eu vivia em lojas de produtos Naturais, gastava horrores comprando esses venenos que se dizem “lights” e só engordava e continuava com os meus problemas… Minha compulsão acabou de vez, minha pele e meu cabelo mudaram pra melhor, até minhas unhas! E restritiva??????? Eu passei muito mais fome comendo aquele monte de porcaria, porque tinha que contar as calorias!! Beijos!

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield

Show Buttons
Entre em contato
Hide Buttons