Índios da amazônia não morrem do coração como o homem moderno

Adaptação feita por Caio Fleury

Você deveria comer como os índios Tsimane?

Uma dieta alta em carboidratos e exercícios diários longos é o segredo por trás dos “corações mais saudáveis ​​do mundo”? Isto é o que os jornais relataram após um estudo dos povos de Tsimane na amazônia boliviana:

Jornal “The Guardian”: índios Tsimané da Amazônia boliviana tem uns dos corações mais saudáveis ​​do mundo, diz estudo.

“A aterosclerose coronariana é a acumulação de placas nas artérias do coração, o que retarda o fluxo sanguíneo e pode causar coágulos de sangue – o que pode, por sua vez, levar a um ataque cardíaco. Os pesquisadores descobriram que quase 85% dos 705 Tsimané adultos que participaram do estudo não tinham nenhum risco de todas as doenças cardíacas; 13% apresentaram um baixo risco e apenas 3% – 20 indivíduos – tinham risco moderado ou alto. 

Mesmo na velhice, 65% das pessoas com mais de 75 anos não apresentaram quase nenhum risco e apenas 8% (quatro em 48) tinham um risco moderado a alto. Em contraste, nos EUA, um estudo de mais de 6.800 pessoas descobriu que metade das pessoas tinham risco moderado a alto – cinco vezes mais do que entre os índios Tsimané – e apenas 14% não tinham nenhum risco de todas as doenças cardíacas.

Na população de Tsimané, a frequência cardíaca, a pressão arterial, o perfil lipídico e a glicemia também são baixos. O estudo sugere que o risco genético é menos importante do que o estilo de vida.”

Constataram que a dieta consumida por eles é muito rica em tubérculos/raízes, peixes e um pouco de animais selvagens.

Mais de 60% das calorias são consumidas na forma de carboidratos e 15% na forma de proteínas (um consumo baixo a moderado considerando o peso e altura deles).

Não foi constatado um consumo de açúcar nesta população e os indivíduos praticavam atividades físicas por aproximadamente 6h por dia!!

Outros pesquisadores argumentam que uma maior subsistência a carboidratos e menor de laticínios e mamíferos selvagens é a causa de uma menor estatura média dos habitantes desta tribo com relação a o homem moderno e outras populações primitivas.

Há diversas populações indígenas no mundo que apresentam saúde comparável com um consumo mais alto de mamíferos selvagens e um teor menor de carboidratos na dieta.

No entanto, um erro muito comum dos jornalistas e de certos pesquisadores é usar questionários alimentares imperfeitos e correlacioná-los com dados de saúde, tirando grandes conclusões.

Este tipo de correlação estatística é sugestiva, contudo não é perfeita, então não garante que o consumo dos macronutrientes calculados sejam perfeitos… Mas é bem provável que os pesquisadores tenham identificado diversos fatores do estilo de vida deles que são responsáveis pelo estado de saúde superior desta população.

Quando profissionais de saúde extrapolam os resultados de estudos como este como prova de uma dieta alta em carboidratos é uma panaceia (remédio para todos os males), é ai que surgem os problemas… Pois não estão atrás de estudos clinicamente comprovados que comparam o impacto de diversas dietas diferentes nos parâmetros metabólicos de saúde dos indivíduos modernos e em demografias diferentes. Por exemplo: populações diabéticas, obesas, fisicamente ativas ou não, etc.

Nestes casos, dietas diferentes, perfis metabólicos diferentes, genéticas diferentes e níveis e tipos de atividades físicas diferentes são mais apropriadas para indivíduos diferentes… Ou seja, não há uma fórmula igual para todas as pessoas e profissionais de saúde que não entendem isso simplesmente estão perdidos.

Como disse Dra. Zoe Harcombe:

“Esta é basicamente a principal razão que todo o campo de nutrição tem sido uma zona de desastre por décadas, com diretrizes de dietas altas em carboidratos que marcaram o início da obesidade e epidemias de diabetes.

As pessoas industrializadas podem fazer algumas coisas úteis para minimizar as doenças cardíacas (não fumar, ser ativo e viver ao ar livre).

No entanto, há um mundo de diferença entre o estilo de vida das pessoas remotas tribais e o comedor de fast food. Se você acha que comer várias centenas de calorias de carboidratos, mesmo sem serem carboidratos refinados, sem estar ativo por aproximadamente 6 horas por dia, vai ajudar, mesmo sem abordar os inúmeros e significativos outros fatores obesogênicos da vida moderna, você se decepcionará na melhor das hipóteses e desenvolverá diabetes na pior das hipóteses.”

Banner1

 

 

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield

Show Buttons
Entre em contato
Hide Buttons