Evidências a favor da manteiga crescem

Por: Chasy Purdy

Uma equipe de pesquisadores médicos tem algumas boas notícias para aqueles que cozinham com a tradicional manteiga, mas a consideram um prazer culpado: Ela pode realmente ser boa para você.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Carolina do Norte (UNC) analisaram um estudo não publicado de 50 anos de Minnesota e encontraram razões para acreditar que cozinhar com óleo de milho em vez de manteiga pode realmente ser bem pior para a saúde do coração. É um fato que contraria o dogma de nutrição convencional das últimas décadas.

No ano passado, um número crescente de vozes dentro da comunidade de nutrição têm se conformado com o fato de que alimentos de verdade ricos em gordura, como manteiga, ovos e abacate não são ruins para você como se pensava dentro do contexto de uma dieta saudável. É um argumento que tem aparecido em estudos de todo o mundo e também em artigos desafiando as decisões políticas nacionais ultrapassadas com base na ideia de que as gorduras devem ser evitada.

No caso da manteiga versus óleo vegetal processado, a equipe da Universidade da Carolina do Norte UNC analisou dados nutricionais inéditos coletados entre 1968 e 1973 em um estudo controlado que incluiu mais de 9.400 homens e mulheres em um lar de idosos e seis hospitais mentais estaduais em Minnesota.
Os sujeitos foram divididos em dois grupos. Um foi dado uma dieta em que o óleo de milho líquido foi usado no lugar das gorduras usuais do cozimento do hospital (incluindo a manteiga e os óleos hidrogenados) durante a preparação da refeição. O outro grupo recebeu refeições cozidas com margarinas comuns e óleos  industriais com milho. Aproximadamente 57% dos 517 indivíduos que morreram durante o curso do estudo foram submetidos a exames post-mortem de seus corações, aortas e cérebros. Mas nenhuma análise dos dados havia sido publicada até agora.

Após uma revisão dos dados disponíveis, os pesquisadores da UNC determinaram que, em geral, havia um risco 22% maior de morte para os participantes na dieta de óleo vegetal industrial.

Muitos poucos estudos utilizados como referência por aqueles que suportam o consumo de óleos industriais incluíram dados de ensaios controlados que realmente formam a base da ciência – a ciência da nutrição pode ser difícil de ser realizada muitas vezes por causa de considerações éticas de testes de dietas em seres humanos.

Em conjunto, as pesquisas que suportam o consumo de óleo de milho processado são incertas e incompletas. Isso nos leva a concluir que a publicação incompleta de dados importantes contribuiu para a superestimação de benefícios – e a subestimação de riscos potenciais – de trocar a gordura saturada por óleos vegetais processados ricos em ácido linoleico”, disse Daisy Zamora, uma das pesquisadoras da UNC.

Em estudos controlados, gorduras naturais de laticínios e alimentos de verdade estão com muita vantagem com relação as opções industriais ricas em gorduras poliinsaturadas quimicamente alteradas.

Banner1

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield